Quem tem gato é mais feliz e mais saudável

Mariana Requena
mariana.requena@jpjornal.com.br

 

Eles tem fama de não se apegarem ao dono, mas sim às mordomias da casa, alguns até os consideram traiçoeiros, mas só quem tem um gato é que pode desfrutar de uma amizade independente, em que cada um tem seu espaço, sem abrir mão da lealdade e amor incondicional que só um animal pode oferecer. Para homenagear os injustiçados bichanos, no dia 17 de fevereiro é comemorado o Dia Mundial do Gato, e a Arraso+ traz para você um pouquinho da história desses felinos sensacionais.

Originado de espécies silvestres que cruzaram entre si, oriundas da África, Ásia e Europa, os gatos domésticos sempre foram adorados e considerados sagrados pelos egípcios, que os ligavam à deusa da fertilidade, Bastet, além de guardiões do submundo, era comum que os donos dos felinos raspassem as sobrancelhas em sinal de luto quando o bichinho morria, e as maquiagens da época tentavam imitar a beleza dos olhos felinos. Muitos gatos de figuras importantes para o Antigo Egito tiveram a mesma honra de seus tutores, ao serem mumificados e enterrados junto a seus donos em tumbas especiais.

Na Idade Média tiveram uma baixa e eram ligados à bruxaria e porta vozes de demônios. Foram perseguidos e considerados maus agouros por esse motivo, e até hoje alguns os consideram como animais sujos e que trazem má sorte, principalmente os gatos pretos. Pura desinformação!

Com o século 21, a popularidade dos bichanos voltou com força total. Segundo dados de levantamento realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o país, que tem a segunda maior população de pets do planeta, tem visto o número de gatos crescer de forma exponencial, e as previsões apontam que a espécie predominará nas casas em dez anos.

 

SAÚDE FELINA

O amor dos donos de pets se traduz no cuidado com os bichinhos e a alimentação não pode ficar de fora, principalmente no caso dos gatos, que ainda tem o metabolismo preparado para a vida selvagem e precisam gastar muita energia para manter a boa forma.

A veterinária Mariana Bortolazzo, da clínica Central Vet, alerta que a obesidade felina pode ser um grande problema para a saúde desses animais. “Os gatos que possuem quilos extras exigem excessivamente de praticamente todos os órgãos do corpo, e essa sobrecarga os tornam mais sujeitos a desenvolverem doenças, entre elas ósseas e cardíacas, e consequentemente diminuem sua longevidade”, explica a especialista.

Já o veterinário Flavio Lopes, da PremieRpet, dá dicas para quem quer agradar os peludos com patês e sachês de carne. “Eles podem ser oferecidos ao longo da vida do animal como snacks, mas devem representar, no máximo, 10% da quantidade calórica que o gato necessita por dia”, diz. Ele ainda fala sobre oferecer leite aos gatos já crescidinhos. “Quando adultos, os mamíferos, assim como o gato, não produzem mais a enzima lactase e caso venha a ingerir leite, provavelmente ele não conseguirá digerir essa lactose, gerando quadros de diarreia”, afirma o veterinário.

Razões pelas quais ter um gato faz bem à saúde:

Eles fazem bem para o coração

Segundo um estudo de 2008 de pesquisadores da Universidade de Minnesota, donos de gatos têm menor probabilidade de morrer de ataque do coração. Monitorados durante dez anos, os pesquisadores determinaram que os donos de gato tinham 30% menos chances de morrer de ataque do coração em comparação com quem não tinha gatos.

O ronronar acalma os nervos

Estudos mostram que o ronronar dos gatos ajuda a baixar o estresse e a pressão arterial dos donos. Além disso, os gatos ronronam em vibrações que vão de 20 a 140 hertz, uma frequência que ajudaria na cura de várias doenças, segundo a Scientific American.

Eles te matam de rir

Qualquer dono de gato vai te dizer que eles são uma graça – e muito engraçados. No ano passado, pesquisadores da Universidade Loma Linda, na Califórnia, descobriram que assistir a 20 minutos de vídeos engraçados reduziu substancialmente os níveis de cortisol e melhorou a memória de curto prazo dos participantes da pesquisa.

Eles podem ajudar os autistas a se comunicar

Um estudo publicado pelo Frontiers in Veterinary Science descobriu que crianças com autismo que crescem e se relacionam com gatinhos exibem comportamentos melhores, pois os felinos fornecem um valioso apoio emocional

Eles te ajudam no combate à depressão.

Acariciar um gato no seu colo não ajuda somente a aliviar o estresse. Essa companhia também melhora o humor e funciona como uma distração positiva para quem luta contra a depressão.

Eles destroem sensações de solidão

Até mesmo os Centros de Prevenção e Controle de Doenças reconhecem que um dos grandes benefícios dos bichos de estimação é sua capacidade de aliviar nossa solidão. Segundo pesquisadores da Universidades de Miami e da Universidade de Saint Louis, animais de estimação satisfazem as necessidades sociais dos seus donos tão bem quanto outros humanos.