‘Queridinho múltiplo’

DOCE ( Fotos: Amanda Vieira /JP)

Hoje é o Dia Internacional do Café. A data foi instituída em 2015, pela OIC (Organização Internacional do Café), para celebrar a segunda bebida mais consumida do mundo, perdendo apenas para a água. Produzida a partir dos grãos do fruto do cafeeiro, o café é uma bebida tradicionalmente servida quente, porém, atualmente, aparece em diversas receitas, inclusive gelado.

O café começou a ser produzido nas terras altas da Etiópia, mas foi a partir do Egito e da Europa que difundiu-se para o restante do mundo. O Brasil tornou-se o maior exportador de café em 1860, quando produziu 26 milhões de sacas do fruto. Hoje em dia, os brasileiros são responsáveis pelo consumo anual de 20 milhões de sacas de café, o que equivale a 173 bilhões de xícaras. Com esse volume, o país se destaca como segundo maior consumidor de café em nível mundial, sendo precedido pelos Estados Unidos.

 

 

Uma das bebidas mais antigas da humanidade, o café está presente em 98% dos lares brasileiros e pode ser encontrado e degustado de diferentes maneiras: puro, pingado com leite, coado, filtrado, expresso, em cápsulas, combinado com outros ingredientes, cappuccinos, com ou sem creme.

Entre os diversos tipos de café disponíveis para os adoradores da bebida estão os drinks, com versões que misturam o café ao leite, ao chocolate, com licor ou, simplesmente, na forma de preparo dos grãos, que oferecem nuances e sabores distintos na preparação da bebida. Em Piracicaba, a bebida está presente em diversos estabelecimentos gastronômicos.

O Metrópolis Café, localizado em um casarão histórico no centro da cidade, tombado como patrimônio cultural, oferece em seu menu cafés como o Espresso Gourmet, preparado com grãos selecionados e moídos na hora em quatro opções diferentes de degustação: longo, curto, ristretto ou carioca. O nome “espresso” vem do italiano “espremido, pressionado”.

De acordo com a barista e proprietária do Metrópolis, Pamela França, ele é feito em poucos segundos sob alta pressão de água na temperatura de consumo, isso faz com que acumule muito sabor e intensidade.

“Nós trabalhamos com o café especial, que é um tipo de café que obedece a diversos critérios desde a produção até o seu processamento. É um café colhido à mão, o que influencia diretamente na qualidade da bebida. Uma boa torra garante extrair o melhor do café e o consumidor pode sentir e apreciar os gostos florais, achocolatados, a acidez cítrica e tudo mais que um café de qualidade pode oferecer”, explicou Pamela.

O Frappuccino Caramel Salted é uma opção de café gelado oferecido na casa. É preparado com café supergelado, batido com leite, gelo, caramelo e flor de sal e oferece profundidade, doce e nuances de salgado, vindos da flor de sal. A bebida conquistou o 1º Lugar no Campeonato Coffee in Good Spirits, na Suécia.

Moka Menta é um outro tipo de café espresso, preparado com gotas de chocolate belga, leite e o toque do licor de menta. “Essa é uma criação minha. Sempre gostei de densidade, por isso idealizei e colocamos no menu. Hoje é uma das bebidas mais pedidas”, falou a barista.

Quem também oferece variadas preparações com café são os sócios Gisele dos Santos Corrêa e Mário Daloca, proprietários do Zip Café. Uma delas é o Cold Brew, que alçou fama nos Estados Unidos há alguns anos e, por aqui, esse café, que é extraído a frio, em um processo que pode se estender por horas, também já conquistou adeptos.

“O Cold Brew é um café gelado extraído a frio, ou seja, não tem contato com água quente como ocorre na forma tradicional. Por usar água fria, o processo de obtenção da bebida é bem mais lento; pode levar até 18 horas. Temos dois modos de preparo: por infusão de 18 horas e outro por gotejamento de seis horas. É uma bebida refrescante que aromatiza com frutas cítricas, como laranja e limão. É uma ótima pedida para os dias quentes”, sugeriu Gisele.

O queridinho dos clientes do Zip Café é o expresso servido em um copinho feito de cookie. “Inicialmente, o copinho cookie surgiu em uma parceria com outro estabelecimento. Atualmente, ele é feito por nós. Utilizamos forminhas de alumínio próprias para seu formato. A massa é de cookies de baunilha, revestido por chocolate e dentro vai um expresso. São sabores que se complementam, todos que experimentaram gostaram”, revelou a proprietária.

Ao longo do tempo o café também se tornou ingrediente no preparo de receitas culinárias. A Bolo Art oferece três receitas que têm o café em sua composição. É o caso do Tiramisù, um tipo de pavê com creme de Mascarpone, vinho marsala, cacau em pó e por fim o biscoito de champagne molhado no café, tudo disposto em camadas.

A outra opção é o Bolo Mocca, constituído por uma massa feita com amêndoas e recheio de leite condensado, um blend de chocolate meio amargo e ao leite e o café. A cobertura é de ganache e canela. “O café dá o amargo e a sofisticação que combinam muito com a massa de amêndoas. O toquinho de canela é o grande diferencial”, detalhou Janaina Righetto, sócia da Bolo Art.

A casa de doces também comercializa trufas de chocolate com café. “Temos a trufa de cappuccino, que tem o chocolate meio amargo, o café e o leite condensado, e a Trufa de Chocolate com menta, que é um clássico, feita com creme de menta, preparada com licor de menta. É um doce bem fechado com pouco açúcar, muito saboroso”, salientou Janaina.

SERVIÇO — Metrópolis Café (rua Alferes José Caetano, 1048, Centro). Informações: (19) 3434-1649. Zip Café (rua Ipiranga, 692, Centro). Informações: (19) 3432-7787. Bolo Art (rua Dr. Alvim, 883, São Dimas). Informações: (19) 3402-7814.

(Raquel Soares)