Ração controlada é sinônimo de cuidado

Apesar de diversos tutores torcerem o nariz para a medida, veterinários afirmam que não é saudável permitir que o cão coma à vontade. (foto: Freepik)

Os animais devem ter uma dieta balanceada, longe de alimentos processados que não são específicos para eles. Disso, a maioria das pessoas já sabe, mas uma importante indicação dos veterinários, em grande parte das vezes, é ignorada: a quantidade de ração que deve ser oferecida ao pet.

Quando o especialista fala em “copos por dia”, logo vem a mente dos tutores que essa pode ser uma quantidade muito pequena e que o animal passará fome. Mas será que esse é um pensamento correto?

De acordo com a veterinária Bárbara Benitez, para garantir uma alimentação realmente saudável, o ideal é não permitir que a ração fique à vontade nos comedouros, pois os animais comerão mais do que a quantidade recomendada e isso pode acarretar um sério problema: a obesidade. “A obesidade em cães é algo grave, que pode acarretar diversas doenças, então mantê-lo sempre em seu peso ideal é muito importante. Por isso, a quantidade ideal de ração que o tutor deve oferecer para seu cãozinho dependerá do seu peso, raça e nível de atividade física.”, explica.

A quantidade ideal a ser oferecida pode ser consultada diretamente com um médico veterinário, ou por meio das instruções contidas no verso das embalagens de ração e, em alguns casos, as marcas até oferecem em seus sites sistemas automáticos para cálculo da quantidade de ração. É importante ter em mente que a concentração de nutrientes varia de uma marca de ração para a outra, portanto a mesma quantidade oferecida em um rótulo pode mudar em outro.

A quantia de alimento disponibilizada também mudará de acordo com a idade do animal, não só por conta do crescimento dele, mas porque cada fase da vida exige uma concentração de vitaminas diferente. “O animal tem uma necessidade nutricional específica, por isso, não é indicado que os cães filhotes consumam a ração para adultos. Os filhotes devem receber uma ração com maior quantidade de proteínas e vitaminas exigidas pela fase. Também é importante acompanhar o peso do cachorro para determinar a quantidade de ração”, ressalta Bárbara.

 

PETISCOS

É claro que todo dono que ama o seu pet quer agradá-lo com guloseimas além das refeições principais, mas ‘pegue leve’ na medida.
Biscoitos são ótimos para a limpeza dos dentes, pois, quando mastigados, formam uma espécie de “areia” que escova a dentição, mas não é bom oferecer vários ao dia. Apesar de parecerem inofensivos, eles também devem ser controlados.

Se optar por oferecer ossinhos, que levarão mais tempo para serem ingeridos e ainda servem como forma de entretenimento para os animais, tome cuidado com a segurança do cachorro, pois o risco de perfuração ou asfixia é real. Nada de oferecer restos de frango ou alimentos do tipo. Os ossos devem ser específicos para pets e consumidos com supervisão. Todo cuidado é pouco!

 

Mariana Requena
mariana.requena@jpjornal.com.br