Rapaz de 29 anos some no rio Piracicaba após mergulho

afogamento Corpo foi localizado durante buscas na área rural. ( Foto: Claudinho Coradini/JP)

Um rapaz de 29 anos desapareceu nas águas do rio Piracicaba no início da tarde de domingo (2). Ele estava em companhia de outros dois homens e um deles tentou salvá-lo, mas não conseguiu. O fato ocorreu na região da Estrada do Bongue. De acordo com o boletim de ocorrência, a gerente administrativa de uma clínica de dependentes químicos informou que o rapaz é paciente na unidade e, no domingo à tarde, saiu em companhia de outro interno e de um funcionário com destino ao rio, na altura do bairro Ondas. Até as 18h de ontem, o Corpo de Bombeiros ainda não tinha localizado o rapaz.

A representante da clínica contou aos policiais que a área onde os três homens estavam faz parte dos fundos da instituição. Segundo as informações registradas, o trio foi ao local onde uma horta é cultiva, mas o rapaz decidiu mergulhar no rio. Ao dar sinais de que estava se afogando, o outro interno mergulhou mas não conseguiu socorrê-lo. A vítima afundou e não foi mais vista.
O Corpo de Bombeiros foi acionado e iniciou as buscas no local. De acordo com informações da clínica, ele é desempregado e reside em Rio Claro.

ATRAÇÃO — Com o volume de chuvas registrado no final de semana, a vazão do rio aumentou, o que tem atraído muitas pessoas para as proximidades. Ontem, na Passarela Pênsil, várias pessoas pararam para ver a queda da cachoeira Véu da Noiva. Neste trecho, conhecido como salto do rio, é comum a presença de alguns aventureiros usando jet sky ou mergulhando. O Corpo de Bombeiros alerta para os riscos de atividades no rio nessas condições e aconselha medidas para evitar incidentes. Entre elas estão: não nadar sozinho, evitar ingerir bebida alcoólica ao entrar na água, ficar perto da margem, não saltar de locais elevados e não fazer brincadeiras de mau gosto. A instituição também ressalta que no caso de afogamento não se deve tentar salvar por conta própria entrando na água. Se possível lançar um galho, uma boia, uma corda ou outro objeto para que a pessoa flutue. E, após a retirada, manter a pessoa aquecida, sentada se estiver consciente, ou deitada se estiver inconsciente até a chegada dos bombeiros.

(Beto Silva)