Recinto de macacos ganha mosquiteiros

Para proteger os macacos de possível contato com os mosquitos transmissores da febre amarela silvestre, a administração do Zoológico de Piracicaba está fazendo a cobertura dos recintos dos primatas com telas mosquiteiros e, assim, garantir a boa saúde dos animais. Apesar da iniciativa ser comum, a prefeitura pede a compreensão da população, já que a medida acaba por prejudicar a visualização de uma das principais atrações do local.
 
Thiago Navarro Vilalta, diretor do zoo, aproveitou a oportunidade para desmentir o boato que surgiu ao longo da semana de que havia morrido um dos macacos devido á febre amarela. “É mentira. O que acontece é que no Zoológico de São Paulo um macaco morreu vítima da febre amarela. Tanto é que foi necessário o fechamento temporário daquele espaço, do Jardim Botânico e Simba Safari para averiguação do caso. Lá, os animais também serão ‘telados’ como estamos fazendo aqui. Graças a Deus nenhum animal nosso morreu. Sobre o fechamento do Zoo de Piracicaba, não ocorreu, pode ser que alguém tenha vindo fora do horário do seu funcionamento normal, das 9h as 16 horas de terça a domingo”, explicou.
 
Segundo Vilalta, os cinco recintos que abrigam primatas quatro externos e um de quarentena receberão as telas mosquiteiros para evitar que mosquitos cheguem até eles. “Eles são tão vítimas quanto nós e, como a gente não consegue passar protetor solar, repelentes ou colocar produtos que repilam estes insetos, a melhor forma é esta tela mosquiteiro”, afirmou.
 
O médico veterinário explicou que a ação é para “cuidar deles, para que eles não adoeçam”. Além disso, serve como forma de alertar a população que costuma agredir estes animais na natureza. “Tem pessoas que costumam matar ou afugentar os macacos, o que é crime. Deixemos eles lá, pois eles são nosso alerta para saber onde o mosquito transmissor está, se eles morrem é um sinal de alerta de que o vírus da febre amarela circula por ali. Se começar morrer macacos sabemos que é aquele local que precisa de ações de bloqueio para evitar que chegue aos humanos”, completou Vilalta.
 
De acordo com o diretor, não há problema algum no zoo e as pessoas podem continuar fazendo suas visitas. “Passar protetor solar e repelentes, principalmente nas crianças, sempre é bom, independente de onde vai. Aqui no zoo, nunca tivemos nenhum caso de febre amarela em macacos”, disse Vilalta ao lembrar que a medida não será permanente. “As telas ficarão desta forma até o final da estação, quando existe maior circulação dos mosquitos. Após este período, vamos analisar a necessidade ou não de manter as telas”, finalizou.