Ressocializadas do CR pintam base dos bombeiros

pintura Encerramento contou com louvor evangélico. ( Foto: Claudinho Coradini/JP)

Vinte e cinco mulheres que cumprem pena no CR (Centro de Ressocialização) Carlos Sidnes Cantarelli terminaram o trabalho de pintura na base do Corpo de Bombeiros. A iniciativa integra o Programa Via Rápida, parceria da SAP (Secretaria de Administração Penitenciária), por meio da Coordenadoria de Reintegração Social e Cidadania com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação. O objetivo é promover a capacitação e a empregabilidade.

As ressocializandas pintaram a cozinha, alojamento e as salas da unidade com o apoio do professor de pintura, Richard Conceição Costa, que veio de Sorocaba para ministrar o curso, com duração de duas semanas.

O comandante de dois postos de Bombeiros de Piracicaba, tenente Alexandre Garcia disse que o serviço foi muito bem realizado, sendo feito a manutenção das paredes e pintura nos ambiente de alojamentos masculino e feminino. Além de da copa, refeitório, pátio interno de viaturas, sala de televisão e corredores do pavimento térreo do quartel de bombeiros da avenida Independência.
“Foram acompanhadas por um professor, que ensinou todos os cuidados na preparação e execução dos trabalhos”, disse o tenente.
Uma das ressocializandas disse que descobriu na pintura uma habilidade que desconhecia. “Nunca pensei que pudesse fazer um trabalho como esse. E não é que ficou bom?”.
Outra reeducanda afirmou que recebeu elogios de alguns bombeiros, devido ao cuidado com a limpeza. “Como mulher, a gente é detalhista. Depois de cada serviço deixamos tudo limpo e sem um pingo de tinta no chão”, afirmou.

ENCERRAMENTO
O encerramento das atividades aconteceu ontem de manhã, na sede dos bombeiros. O professor falou sobre o resultado e a dedicação de suas alunas. “Nosso objetivo foi proporcionar uma profissão bem como fazer um pouco de evangelização. Sem dúvida sairão diferentes de quando chegaram”, comentou Costa.
O pastor da igreja evangélica Quadrangular, César Graciani ministrou alguns hinos de louvor com elas. “Não importa como chegaram nessa situação, mas como vão escolher sair dela”, comentou o pastor.

CURSOS
A diretora do CR, Celeste Maria Varela Abamonte, disse que tem a preocupação de incentivar os cursos para as ressocializandas, pois atualmente, além do Via Rápida, algumas presas também participam do curso de empreendedorismo, por intermédio da Escola do Legislativo, entre eles o de auxiliar de cozinha, assistente administrativo e cuidador de idoso. Há ainda a atuação de quatro empresas que fizeram parceria para a contratação das ressocializandas. “Nosso objetivo é conseguir trabalho para elas, mas nem sempre encontramos as portas abertas. A maioria usa o dinheiro para ajudar a família”, afirmou Celeste.

(Cristiani Azanha)