Ressocializandos prestam Encceja nas unidades prisionais

presos 169 presos realizaram o exame para concluir o ensino fundamental ou médio. (Foto: Divulgação)

O Encceja PPL (Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos para Pessoas Privadas de Liberdade) foi realizado para 169 ressocializandos da Penitenciária Masculina, CDP (Centro de Detenção Provisória) Nelson Furlan e CR (Centro de Ressocialização) Carlos Sidnes de Souza Cantarelli. De acordo com a SAP (Secretaria de Estado de Administração Penitenciária), no Estado de São Paulo, houve um crescimento de 8,97% no número de inscritos em relação o ano passado. Houve também um aumento no comparecimento efetivo no dia da prova – o percentual médio desse ano foi de 79,82%. Em 2017, o comparecimento foi de 68,18%. No total, 24.029 pessoas presas realizaram as provas, que foram aplicadas no interior das respectivas unidades prisionais.

Na região de Campinas e Piracicaba, a CRC (Coordenadoria das Unidades Prisionais da Região Central) atendeu 879 reeducandos do ensino médio e fundamental. Em Piracicaba, a unidade com mais participação foi a Penitenciária Masculina com 124 inscritos, seguida pelo CR com 27 inscritas e CDP com 18 ressocializandos.

O exame permite conseguir o certificado de conclusão no ensino fundamental ou médio. Para quem estudou de maneira irregular ou teve dificuldades para conseguir concluir os estudos, o Encceja é a chance de completar essa fase de maneira mais rápida, conforme explicou a Pasta.

As provas foram realizadas na última terça-feira (18), e quarta-feira (19), por meio do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) Anísio Teixeira. Os testes foram aplicados em dois turnos, tanto para o ensino fundamental, quanto para o ensino médio. Será certificado, no ensino fundamental, o participante que atingir o mínimo de 100 pontos em cada uma das áreas de conhecimento e o mínimo de cinco pontos na prova de redação adicionalmente à nota mínima em língua portuguesa, língua estrangeira moderna, artes e educação física. No caso do ensino médio, linguagens e códigos e suas tecnologias.

Os participantes podem conseguir dois documentos por meio do Encceja. O certificado de conclusão é para o participante que conseguir a nota mínima exigida nas quatro provas objetivas e na redação. Já a declaração parcial de proficiência é para o participante que conseguir a nota mínima exigida em uma das quatro provas, ou em mais de uma, mas não em todas. O participante pode conseguir o certificado de conclusão em uma única edição ou ao conquistar as declarações de proficiência das quatro áreas de conhecimento, em edições diferentes do Encceja. O Inep elabora, aplica e corrige as provas, mas a certificação é competência das Secretarias Estaduais de Educação e dos Institutos Federais de Educação Ciência e Tecnologia, que tiverem assinado termo de adesão ao Encceja com o Inep.

“Julgo que dar oportunidade ao sentenciado para que ele alcance a conclusão do ensino médio, só colabora com todo trabalho desenvolvido nesta unidade no sentido de oportunizar a ressocialização dos reclusos. A realização do Encceja dentro de uma unidade prisional é uma oportunidade de valorizar as pessoas que, talvez, não tiveram oportunidade de realizar seus estudos quando em liberdade, juntamente com as salas de ensino regular oferecidas aqui na unidade”, disse o diretor da Penitenciária Élcio Bonságlia.

( Cristiani Azanha)