Roberto Turchi de Morais

Ainda em fase de recuperação, deputado concilia sessões de fisioterapia e atividades do seu 6º mandato (foto: Claudinho Coradini/JP)

O deputado estadual Roberto Morais (PPS) retomou recentemente as atividades de deputado estadual, após 60 dias hospitalizado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e em coma induzido. Ainda em fase de recuperação, ele tem conciliado seu tempo em sessões de fisioterapia, consultas médicas e as atividades do 6º mandato na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.

Aos 60 anos (completados no dia 29 de julho),  o charqueadense filho do casal Julieta Turchi e Roberto Morais, ambos já falecidos, foi eleito com mais de 66.000 votos, dos quais 40.000 mil foram conquistados em Piracicaba. Morais tem dois irmãos, Ronaldo e Elisabete, é casado com Nilva Maria Bonazzi e pai de Letícia.

Após a experiência vivida no início do ano, o parlamentar afirma que aumentou a vontade de trabalhar pela região e pelas pessoas que necessitam do seu trabalho. Ele admite que, apesar da gravidade, nunca pensou no pior e manteve sua fé na recuperação.

O histórico de persistência, no entanto, não é recente na vida de Morais. Ele começou a trabalhar cedo, ajudando o pai nas tarefas do pequeno armazém da família. Aos 17 anos, iniciou suas atividades em programas esportivos e de serviço público na rádio Difusora de Piracicaba, sempre acompanhando os jogos do XV de Piracicaba.

Morais ingressou na política e elegeu-se, em 1992, pelo PPS (Partido Popular Socialista), vereador de Piracicaba pela primeira vez. Em 1996 concorreu à reeleição e foi eleito como o vereador mais votado de toda a história política de Piracicaba. Sua justificativa de ingressar na política é lutar por uma participação mais ativa na busca de soluções para os problemas sociais.

Em 1998 candidatou-se a deputado estadual numa campanha vitoriosa que lhe deu o direito de ocupar uma cadeira na Assembleia Legislativa, em 1998, pelo PPS. Ele Foi reeleito em 2002, 2006, 2010, 2014 e 2018.

No Legislativo paulista, Roberto Morais ocupou cargos na Mesa Diretora, foi relator e vice-presidente de CPIs (Comissões Parlamentares de Inquérito), membro do Conselho Deliberativo do Instituto do Legislativo e membro de comissões permanentes da Casa. Atualmente, o deputado representa a Assembleia Legislativa como membro efetivo do Conselho Consultivo da Agência Reguladora de Serviços Públicos delegados ao Transporte do Estado de São Paulo (Artesp). Na Assembleia Legislativa é o presidente da Comissão Permanente de Assuntos Metropolitanos e Municipais; e também integra as seguintes comissões: de Fiscalização e Controle; de Transportes e Comunicações; de Saúde e de Infraestrutura.

Entre as leis de sua autoria estão as que permitiram às entidades assistenciais de Piracicaba receberem o título de utilidade pública estadual o que, consequentemente, aumentou os recursos para a manutenção e o desenvolvimento dos trabalhos realizados. Nesta semana, o deputado respondeu – por e-mail – às perguntas da reportagem do Jornal de Piracicaba para a coluna Persona, durante uma pausa nas atividades da Assembleia.

Nesta semana, ele encontrou espaço em sua agenda para responder (por e-mail) às questões da reportagem do Jornal de Piracicaba, para o Persona deste domingo.

 

 

O senhor passou recentemente por um grave problema de saúde, está restabelecido?

Graças a Deus, a competência de toda a equipe médica do Hospital Unimed, presidida por Carlos Joussef, e coordenada por Renato Françoso e todos os profissionais que me atenderam, as orações de amigos e ao apoio incondicional da minha família, estou plenamente recuperado e, com as energias e compromissos renovados, trabalhando normalmente por nossa cidade.

 

Quanto tempo o senhor ficou internado?

45 dias de internação, sendo 30 dias na UTI e 14 em coma induzido. Durante esse período o senhor tinha consciência do que estava acontecendo? Com exceção dos dias em que fiquei sedado, tinha consciência plena da gravidade do meu quadro. Mas, o tempo todo, tinha certeza que me recuperaria.

 

Chegou a pensar que não resistiria?

Não. Minha fé em Deus, com a proteção de Nossa Senhora,  as orações de todas as demais religiões me deram muita força.

 

Essa experiência fez o senhor mudar algo em sua vida pessoal e profissional?

Essa experiência só fez aumentar minha vontade de trabalhar por nossa região e pelas pessoas que precisam do apoio do governo para levarem uma vida digna.

 

O senhor está em seu sexto mandato como deputado estadual. Considera a possibilidade de deixar o Legislativo e buscar outra função na política?

A política é muito dinâmica. Mas hoje meu objetivo é continuar atuando no parlamento do Estado de São Paulo por leis mais justas e investimentos governamentais que tragam desenvolvimento e bem-estar para nossa população.

 

Na pesquisa realizada pelo Jornal de Piracicaba, publicada há 15 dias, o seu nome foi citado de forma espontânea para o cargo de prefeito. O senhor já avaliou essa possibilidade? Está em seus planos ser prefeito de Piracicaba?

Não avaliei ainda. Estou dedicado nesse momento a novos projetos de lei, principalmente na área da saúde pública, e na busca de recursos para nossa cidade e região. Mas estou à disposição de meu partido.

 

Como o senhor avalia o desempenho do atual governo do Estado de São Paulo?

Tem conquistado avanços importantes. É um novo jeito de governar. Sinto no governador João Dória e, no meu amigo, o vice-governador Rodrigo Garcia, muita vontade de acertar.

 

Entre as medidas do governo estadual está a privatização de rodovias na região de Piracicaba e a consequente instalação de pedágios. Como o senhor avalia o impacto dessa cobrança para a região?

Já declarei publicamente que sou contra a instalação de novas praças de pedágios em nossa reunião. Lutarei contra isso até o fim.

 

Por se tratar de uma iniciativa do governador do Estado, cabe aos parlamentares alguma medida no sentido de evitar o pedágio?

Apenas pressão política. É uma prerrogativa exclusiva do poder executivo.]

 

Em recente visita à região, o então governador em exercício Rodrigo Garcia citou o ‘pedágio frequente’, em sua opinião essa possibilidade beneficia a população da região?

As informações são de que beneficiará os que mais utilizam o sistema com redução dos custos, porém é um sistema novo.

 

Como está o andamento do projeto do Aglomerado de Piracicaba na Assembleia Legislativa?

Já se tornou Lei Estadual nº 1.178/2012, agora estamos trabalhando pela aprovação do PLC 06/2014 de nossa autoria, que cria a Região Metropolitana de Piracicaba.

 

Quais os benefícios deste projeto para as cidades da região?

I – O planejamento regional para o desenvolvimento socioeconômico e a melhoria da qualidade de vida; II – a cooperação entre diferentes níveis de governo, mediante a descentralização, articulação e integração de seus órgãos e entidades da administração direta e indireta com atuação na região, visando ao máximo aproveitamento dos recursos públicos a ela destinados; III – a utilização racional do território, dos recursos naturais e culturais e a proteção do meio ambiente, mediante o controle da implantação dos empreendimentos públicos e privados na região; IV – a integração do planejamento e da execução das funções públicas de interesse comum aos entes públicos atuantes na região; V – a redução das desigualdades regionais.

 

Quais outras leis de sua autoria o senhor destaca como importantes?

As leis que permitiram que entidades assistenciais de Piracicaba recebessem o título de utilidade pública estadual, consequentemente aumentando os recursos para a manutenção e o desenvolvimento dos trabalhos realizados. Para a saúde, aprovei leis que garantiram ações de apoio para os portadores de Síndrome de Down, Síndrome de RETT, Fibrose Cística e doenças metabólicas hereditárias. Também é de minha autoria o projeto de lei de isenção de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) nos produtos alimentícios para diabéticos e para caminhoneiros autônomos.

 

Como deputado estadual reeleito, quais projetos e conquistas o senhor aponta como meta e que ainda não conseguiu viabilizar?

Ampliar os atendimentos na área de saúde pública com a vinda de mais um AME (Ambulatório Médico de Especialidades), criação de uma unidade da rede de reabilitação “Lucy Montoro”, ampliação das ofertas de cursos das Etec’s (Escola Técnica) e da Fatec (Faculdade de Tecnologia), aumento dos recursos para entidades assistenciais, ampliação das obras de infraestrutura urbana nas cidades da região e a criação de unidades especiais de elite no 10º Batalhão da Polícia Militar.

 

O senhor já foi avaliado pela ONG (Organização Não Governamental) Voto Consciente como o segundo melhor deputado estadual de São Paulo, a que o senhor atribui essa avaliação?

Ao meu trabalho transparente e compromissos cumpridos. O reconhecimento também veio de vários municípios da região que me concederam o Título de Cidadão de: Piracicaba, Barra Bonita, Rafard, Saltinho, Rio das Pedras, Laranjal Paulista, Santa Maria da Serra, Mombuca e São Pedro.

 

Beto Silva
[email protected]