Rose Massarutto: técnica e política para o bem do Turismo

Rose Massarutto é secretária de Turismo de Águas de São Pedro (Crédito: Claudinho Coradini/JP)

Beto Silva

[email protected]

Após cinco anos à frente do turismo em Piracicaba, Rose Massarutto aceitou o convite do prefeito Paulo Barboza e assumiu a Secretaria de Turismo em Águas de São Pedro. A piracicabana é a caçula do casal Orides Calixto e José Benedito Massarutto e irmã de Paulo. Rose é graduada em turismo pela Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba) e mestre em hospitalidade pela Anhembi Morumbi além de especialista pela Unesp (Universidade Estadual Paulista) e com MBA pela ESPM.

Quando não está trabalhando, ela não abre mão de uma boa leitura, confraternização com os amigos ou viajar. Em sua experiência na vida pública, ela defende a formação técnica independentemente do cargo ocupado aliada à responsabilidade com o dinheiro público.

Em Águas de São Pedro, ela aceitou o desafio de assumir a principal atividade econômica da cidade de 3.800 habitantes que recebe turistas de vários estados brasileiros. Nessa entrevista a seção Persona, Rose falou das inovações, expectativas e projetos para os próximos anos.

A senhora foi secretária de Turismo em Piracicaba em qual período?

De 2012 a 2016, eu peguei o último ano do Barjas (Negri), depois fiquei quatro anos com o Gabriel (Ferrato), depois fui convidada para assumir a Secretaria de Turismo de Águas de São Pedro em 2017.

Em Piracicaba, qual o destaque que a senhora aponta no turismo sob sua gestão?

A grande proposta foi que a gente veio fazer um trabalho técnico na área, eu tinha uma formação técnica, fui docente por dez anos em São Paulo e aqui em Piracicaba, então eu destaco a área de planejamento, iniciei toda a proposta de fazer ações planejadas e realizamos o Plano Diretor de Turismo, o plano de marketing turístico e fizemos toda a estrutura de projetos da orla da Rua do Porto, toda a implantação de projetos como a avenida Renato Wagner, mas o projeto maior foi na Rua do Porto, novo sistema de coleta de lixo, enfim, de toda a estrutura. Montamos o posto receptivo turístico que era no Museu do Turismo. Nesses cinco anos de atividades como secretária trabalhamos muito na melhoria dos eventos e na sua estrutura. Piracicaba tem eventos todos os finais de semana, então a gente fez um trabalho de planejamento onde pudéssemos organizar de forma sustentável dentro de Piracicaba.

Você defende que, para atuar no turismo, é necessária a formação acadêmica do secretário ou ao menos um conhecimento técnico e vivência para poder atuar?

Eu acredito na qualidade técnica na gestão pública. Acho que – não só para secretário de Turismo, mas a gestão pública – está necessitando isso no nível Executivo, que ele tenha o mínimo de procedência de gestor. Para você ser um gestor ou um secretário de turismo ou de outra área, você tem de ter alguns quesitos básicos têm de ter a qualidade técnica. Acredito nisso, que você tenha a proposta de desenvolver um trabalho que tenha a qualificação de saber fazer, você tem de ter espírito público, acho muito importante, que é a questão de ter um lado com o povo, de você estar sempre com as pessoas e recebendo bem as pessoas e, principalmente, responsabilidade com o dinheiro público. Isso só pode ser feito se você tiver a mínima noção que é fazer um planejamento orçamentário de uma pasta, seja ela de turismo ou de outra área. No turismo, acho importante a formação técnica até porque nós estamos muito atrasados no desenvolvimento, falando em Brasil, não é só a cidade de Piracicaba ou no Estado de São Paulo. Essas áreas foram deixadas por muito tempo a uma gestão mais política, estão precisando de uma gestão técnica para que coloque o desenvolvimento da atividade no Brasil, que tem tudo para se desenvolver turisticamente. Há países que recebem muito mais turistas e têm muito menos possibilidades de atração que nós, precisamos ter gente técnica que possa concluir criativamente ideias e processos de forma que possamos explorar o turismo no Brasil.

A senhora acha que é possível um secretário indicado saber conciliar essas duas questões – a técnica e a política?

É claro que uma formação técnica demanda anos de formação, antes de eu ser secretária eu já estava há nove anos no mercado trabalhando e estudando com o turismo e vim para contribuir como secretária. A formação política só se dá quando você está dentro da política. O que seria essa formação política, você entender as necessidades da comunidade. Uma coisa é toda a estrutura técnica que você tem de desenvolver para atender essa necessidade, a política ela é justamente isso, é você ter as três responsabilidades dentro de uma cidade que são a gestão privada, a comunidade e a gestão pública. A partir do momento que a gente consegue ter esse diálogo democrático entre essas três partes, aí você está fazendo uma gestão política. Acho que isso seja a verdadeira política pública que nós devemos cobrar e implantar dentro de uma cidade e que você tem de ter o mínimo para conseguir executar políticas públicas de desenvolvimento dentro de uma cidade.

Quando a senhora chegou à cidade de Águas de São Pedro, qual foi o cenário turístico encontrado, e numa instância conhecida nacionalmente qual foi o seu principal desafio?

Uma realidade totalmente diferente. Piracicaba é uma cidade maior e ela tem melhores condições de captação de recursos financeiros mesmo a pasta de turismo tendo o menor recurso eu conseguia ter um recurso compatível para trabalhar. E eu chego numa cidade muito menor que tem uma arrecadação extremamente menor e que vive 100% do turismo. E viver com uma economia voltada 100% de turismo e você ter uma sazonalidade muito grande de recursos então você tem de ter uma ótica financeira, não só o setor público mas do setor privado porque as entradas são muito sazonais todo esse cenário junto a uma crise econômica muito grande que todas as prefeituras estão passando e na cidade de Águas não é diferente O que acontece de diferente e que as cobranças são maiores porque é uma cidade que vive 100% do turismo então aqui a gente tinha um trabalho complementar na economia então o próprio fato e a gente investir e crescer era uma complementação muito boa para a cidade, mas era uma complementação em Águas não, turismo é o que gera emprego, renda e todo o fluxo de viver a cidade, então a nossa responsabilidade se torna maior e a gente tem desfaio financeiro para cumprir esse planejamento financeiro. Como nós somos uma instância turística, não temos uma verba do Dadetur (Departamento de apoio ao Desenvolvimento dos Municípios Turísticos), que e uma lei de recursos de fundo perdido ara os municípios de instância junto ao governo do Estado. A gente apresenta projetos no valor do fundo – para Águas de são Pedro, são cerca de R$ 2 milhões por ano – e a gente pode fazer obras de infraestrutura para o desenvolvimento do turismo. Então a gente vem trabalhando muito forte na cidade com esses recursos e tivemos tudo um processo de restruturação do eixo central a cidade, enfim, porque eu acho que esse é nosso grande desafio, e é claro planejar. Nós estamos há quatro anos e eu sempre digo que a gente tem de deixar melhor do que nós encontramos. Deixar melhor é propor uma melhoria a curto médio e longo prazos, quem quiser continuar seu trabalho vai conseguir através do planejamento que você deixou. Então, sempre deixar um plano diretor organizado, deixar metas de desenvolvimento de marketing para o turismo deixar projetos que você pode captar verba e melhoro algum atrativo ou investir em estrutura urbana da cidade então essa é a nossa meta que acreditamos que deixamos aqui (Piracicaba) e que entendemos deixar lá.

Diante desse perfil turístico da cidade de Águas de são Pedro, como é trabalhar com a administração municipal a senhora e mais próxima do prefeito, como é a relação?

Nós somos em oito secretários, um número bem menor que Piracicaba, própria estrutura executiva é pequena, a proximidade com o prefeito e muito grande, não só dos secretários como da própria população. A população sabe que todo mundo, são 3.800 habitantes então todo mundo sabe quem é a secretária Rose, sabe quem é o prefeito, e em Piracicaba nós temos 380.000 habitantes, acho que algumas pessoas nem sabem que eu fui secretária então há uma diferença brutal nisso é uma diferença muito grande, a parte de cobrança, de benefício junto à população também.

E isso é bom ou ruim do ponto de vista administrativo?

Na verdade, eu acho que tem os dois lados , o bom é que você pode ter uma agilidade maior dentro do processo, apesar que é uma cidade que tem toda burocracia, de Tribunal de Contas, enfim, mas é ruim, porque é uma cidade pequena e às vezes as coisas nem sempre chegam à população como elas realmente são, então você tem que reverter, nem é uma questão de reverter o errado, mas é preciso fazer com que a população saiba exatamente o que está acontecendo. Esse é um desafio diário para a cidade que tem uma política oposicionista muito bem instalada.

Qual o balanço a senhora faz nesse período à frente da Secretaria de Turismo de Águas de São Pedro?

A gente está muito feliz com o resultado deste ano (2018), só tivemos dois anos de trabalho, chegamos à cidade e não tinha um site do turismo, isso é o mais importante de uma cidade turística, hoje a era e celular, internet, redes sociais, então a gente não tinha esse contato com ninguém e éramos uma cidade referência. A cidade de Águas de São Pedro foi construída ara ser turística. A primeira construção dela é o Grande Hotel de Águas de São Pedro, depois veio toda a cidade para abastecê-lo. E uma cidade 100% turística e ela tem a água sulfurosa, a melhor água do mundo para banho e consumo, a maior fica na Itália, mas lá tem de ser manipulada para ser usada no banho, mas a nossa não, ela é consumida in natura. Ela faz milagres mesmo, terapêuticos no sentido de patologias, na área de osso e pele, e faz coisas boas na área estética, com propriedades maravilhosas, então nós somos buscados por anos por isso, mas não era fácil de serem achados. Agora temos um site de turismo da cidade relatando toda essa questão, tem até o slogan que “Aqui a água brota da terra” nós temos três fontes. A gente cria toda esse trabalho de divulgação da cidade, criamos um aplicativo que você chega a cidade, acessa o aplicativo e tem todos os serviços, criamos todo um processo de folheteria nova, montamos o Comtur, que é Conselho Municipal de Turismo, onde nessa estrutura a gente faz o tripé iniciativa pública, comunidade e o Executivo, para entender as necessidades e partir para o trabalho. Com a criação desa estrutura de marketing gente consegue aumentar gradativamente o número de turistas alta temporada. A gente vê os finais de semana lotado, esse período antes do Natal até agora com a a ocupação de 80% a 100% quase todos os finais de semana e meio de semana também. A gente está conseguindo aumentar o número de turistas e a nossa próxima etapa determinar segmentos de Mercado, vamos começar a fazer um trabalho para entender. Começamos a fazer uma reforma no portal da cidade que é a nossa cara, nosso portão de entrada, que vai ter todo uma estrutura , na concepção do projeto a gente tenta resgatar a construção da cidade nos anos 1940, toda a estrutura e forma do projeto está essa proposta de resgate e na hora que a pessoa entra a cidade, ela já começa a sentir a contemplação, vamos reformar nosso posto de informação turística, é muito importante para uma cidade como Águas de São Pedro era um posto de informação funcionando todos os dias do ano, então estamos reformando começando a reforma nessa área. Etemos o investimento no nosso centro de convenções, onde a nossa captação de recursos está cada vez maior com eventos do Rotary, mini-congressos e eventos festivos de finais de semana.

Em pesquisa no site da prefeitura, vi os elogios a cidade e poucas críticas. Uma delas é que as atrações turísticas na cidade de águas só acontece as finais de semana e durante os outros dias não há nada a ser feito. A reclamação procede, como que pode ser revertido?

Na baixa temporada, alguns atrativos param, temos tentado  e esse crescente número de demanda está fazendo cm que esses atrativos permaneçam por mais tempo funcionando. Agora, por exemplo, nesse final de ano, desde o início de dezembro até agora, estão todos funcionando normalmente então é uma deficiência nossa, a gente tem uma grande reclamação que é o comércio pujante no entrono do canal e que fecha muito cedo, que é uma das nossas preocupações em transformar isso na possibilidade de eles ficarem até tarde com o calor, as pessoas ficam na piscina, vão para os parques e é óbvio que é à noite que eles saem para comer, ficar na praça, escutar uma boa música e fazer compras. Estamos trabalhando entre a iniciativa pública e privada porque estamos falando de uma iniciativa privada que a gente precisa dar condições de trabalho para que cada vez mais a gente aumente a demanda turística.

E o projeto de Carnaval para este ano, como está andamento?

Temos o Carnaval família, um carnaval diferente, 100% voltado à família, à criança, nossas atrações começam no sábado onde às 15h começa um banho de espuma na praça, gratuito, a criança entra no banho de espuma, temos monitores toda a estrutura com DJ, com músicas infantis carnavalescas que é a nossa matinê, isso vai até as 18h. Nesse período a gente coloca uma banda tocando marchinhas, à noite a partir das 19h, temos uma banda no bulevar onde você não pode entrar com bebidas, que vai até a meia-noite. No domingo acontece o desfile dos blocos e quando você compra o seu final de semana no hotel você ganha o abadá dos hotéis e por volta das 23h já finalizamos as atividades carnavalescas e o turista pode usufruir dos bares da cidade.

A cidade possui um estudo do perfil do turista que vem a Águas de São Pedro?

O nosso turista hoje é extremamente família, pais com filhos, em torno de quatro a dez anos de idade, adultos com idades entre 30 e 40 anos embora todo mundo acha que seja Terceira Idade, que é uma boa faixa principalmente nas casas de veraneio, que eles acabam tendo a casa e quando se aposentam vêm morar na cidade. A população de Águas cresceu muito em dez anos. Ela tinha cerca de dois mil habitantes e hoje são 3.800, quase que dobrou. Em nossos atrativos quase todos são voltados pra a família, trem turístico, tirolesa, mini bug então há um apelo infantil muito grande nas atrações. Nossa proposta é mudar isso e sim adequar segmentos em baixas temporadas então a ente vem propondo trabalhar mais essa água principalmente a divulgação das características dessa água que e tão importante e que está aqui do lado de um monte de cidades. Vender essa questão da qualidade de vida como uma proposta de se viver nas férias e no lazer. O atrativo de Águas é você tomar um banho sentar numa praça e contemplar o ócio esse é o atrativo de Águas de São Pedro, é você poder caminhar na cidade inteira em uma hora, sempre em contato com a natureza, porque nós temos um cinturão de mata ciliar em volta da cidade, isso foi feito elo fundador para que possa reservar a água sulfurosa. Então essas características da cidade muitas vezes não são percebidas pelas pessoas. Temos o que mais as pessoas necessitam que é o anti estresse, é a pausa. Aliado a isso a gente tem uma boa rede hoteleira muito boa, ótimas pousadas, ótimos hotéis, resort, a grande diferença o atrativo de águas, acredito que é o novo turismo, que é esse turismo m busca de experiência e vivência diferenciada. É isso que a gente quer trabalhar, esse segmento da água é muito importante. Tem outro segmento que a gente identificou que é o casamento. E muito legal casar em Águas de São pedro , primeiro porque a cidade é pequena, então você deixa seu carro no hotel e faz tudo a pé , tem uma logística espetacular ara que você caminhe, tem dia de noiva, então a cidade oferece toda essa estrutura ara casamento temo buffet, floricultura, então tem todos os serviços que um casamento demanda. Nós notamos que está acontecendo cada vez mais casamentos cidade orque o preço é muito atrativo Uma cidade pequena aconchegante, aconchega todos os seus convidados padrinhos, amigos no mesmo lugar e que te dar essa possibilidade de casar de uma forma muito boa e com bom gosto.

Existe a competitividade entre as cidades turísticas, no sentido de atrais mais turistas?

A vizinha é aliada, não há mais competição. Hoje o turismo está cada vez mais se estruturando para ser regional, então Águas é pequena, não tem para onde crescer. A gente sempre diz que é um ovo, onde a clara é São pedro e Águas é a gema. A cidade não tem indústria, não tem área rural então tem como fazer mirabolantes atrativos turísticos para atrair grandes construções, não tem essa possibilidade, então tem algo que na região ainda falta – qualidade de serviço turístico, hotéis, restaurantes, centro comercial pujante, toda essa estrutura do receptivo que nós estamos trabalhando cada vez mais para qualificar, onde a gente tem uma parceria com Hotel Escola e isso faz com que a gente proponha o trismo regional. Águas faz parte de um roteiro que chama Serra do Itaqueri, cerca de nove municípios mais pujantes do turismo Águas, São Pedro, Brotas, Torrinha, Analândia. Você fica hospedado em águas e se você quiser sai para um passeio as cachoeiras e conhece todas elas que estão em municípios vizinhos. Acontece um intercâmbio de turista e ele acaba vando da região uma grande satisfação de vivência e para nós não há problema, acho que o turismo é demonstrar que a cidade tem de melhor.