Samuel vê próximo jogo como decisivo

futebol Samuel apoia mais o ataque com Cléber Gaúcho. (Foto: Claudinho Coradini/JP)

Decisivo. É desta forma que o lateral-esquerdo Samuel encara o próximo compromisso do XV de Piracicaba na Copa Paulista. Abrindo o returno da primeira fase, o Alvinegro encara o Red Bull neste sábado (1º), às 18h30, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas. Precisando vencer para voltar à zona de classificação para a próxima fase, o Nhô Quim pode ainda terminar a rodada na segunda colocação do Grupo 2. Para isso, é necessário vencer o Toro Loko por dois gols de diferença e torcer por um empate entre Desportivo Brasil e Inter de Limeira, que jogam no dia seguinte.

“É um jogo decisivo para a gente. Se conquistarmos um resultado positivo, voltaremos para o G-4, deixando o Red Bull de fora. O Cléber (Gaúcho, treinador) está tentando nos passar a forma de jogar e, mudou bastante o jeito de trabalhar. Ele gosta de um jogo mais apoiado, mais seguro, e está nos tentando passar isso. Tenho certeza que será um grande jogo lá (Campinas) e espero que a gente saia com a vitória”, disse Samuel, que ganhou mais liberdade para apoiar o ataque com o novo comandante.

“O trabalho do Fahel Júnior é de um treinador muito ousado. Ele procura dar liberdade para os jogadores de ataque. Com isso, a gente (laterais) acaba ficando sem a opção de chegar na linha de fundo. As vezes, tocávamos para o atacante e ficávamos mais por trás, no apoio. O Cléber Gaúcho gosta bastante que o atacante também jogue por dentro, o que acaba abrindo caminho para os laterais. Acredito que por isso acabamos aparecendo mais, algo que com o Fahel Júnior não estava acontecendo”, completou.

MUDANÇAS

Ainda sem repetir a escalação titular na Copa Paulista, o Alvinegro terá a sétima formação diferente em Campinas, já que o zagueiro João Victor, que atuou em todas as partidas, terá que cumprir suspensão. As constantes alterações contribuíram para que a equipe se tornasse a mais vazada da chave, com oito gols sofridos. “No primeiro jogo contra Red Bull, perdemos o Hugo restando 12 horas para a partida e atuamos com uma zaga diferente. Tomamos gols em lances de bola parada. Na sequência, foram várias formações da defesa. O problema é que as vezes acaba faltando um pouquinho de concentração, uma coisinha a mais que acaba dando errado e sofremos o gol”, disse o lateral.

(Líder Esportes)