Saúde amplia testagem rápida da Hepatite C

Piracicaba se tornou a primeira no estado de São Paulo e a nona no Brasil a desenvolver projeto-piloto para ampliar a oferta de testes rápidos para diagnóstico da Hepatite C. A medida segue a recomendação da OMS (Organização Mundial de Saúde) para criação de ações para erradicação da doença. A proposta é intensificar os testes rápidos durante a campanha contra a gripe, prevista para começar dia 23, e os pacientes que tiverem o diagnóstico da doença serão encaminhados para o serviço de referência para tratamento. 
 
De acordo com o infectologista Hamilton Bonilha, coordenador do DRS-X (Diretoria Regional de Saúde 10), a Hepatite C “é a doença silenciosa do século”. O médico afirma que a OMS e o MS (Ministério da Saúde) querem erradicar esta doença até 2030, já que a estimativa é que até essa data 115 milhões de pessoas estejam infectadas, se nada for feito para reverter a tendência atual. “Diante disso precisamos detectar indivíduos portadores ainda não diagnosticados. A principal via de transmissão é sanguínea. Portanto quem utilizou seringas de vidro e recebeu transfusão antes de 1993 pode ter sido contaminado. Assim, a faixa etária de risco é acima de 40 anos”, explicou o infectologista.
 
Conforme Bonilha, o município vem incentivando o diagnóstico precoce com testes rápidos descentralizados em 71 unidades de saúde além do Cedic (Centro de Doenças Infecto-contagiosas). Segundo a Secretaria de Saúde, o projeto-piloto deve beneficiar, inicialmente, 2.500 pessoas. “Em 2017 foram realizados 2.197 testes rápidos só de hepatite C na Atenção Básica. Neste novo projeto, sete unidades de saúde vão oferecer esse tipo de atendimento piloto, sendo: os Crabs (Centro de Referência da Atenção Básica) dos bairros Vila Rezende, Piracicamirim, Santa Teresinha, e Vila Cristina (este último somente no Dia D da vacinação) e nas USFs (Unidade de Saúde da Família) do Bosques do Lenheiro II, Jardim Gilda e Cadme (Clínica de Atenção às Doenças Metabólicas)”.
 
“A faixa etária eleita deve-se ao fato de ter sido essa parcela da população que acabou se expondo à Hepatite C sem que sequer soubesse. Portanto, é de grande importância a testagem dessa população uma vez que a Hepatite C é uma doença silenciosa e de progressão bastante lenta (30 anos em média), que tem tratamento e apresenta cura em mais de 90% dos casos”, afirmou o coordenador do Cedic, Moisés Taglieta.
 
Para o secretário de Saúde, Pedro de Mello, a iniciativa é bem-vinda. “Inclusive porque muitas pessoas não têm o hábito de realizar exames preventivos e procuram médicos somente quando algum sintoma já está instalado. A campanha torna-se assim uma janela de oportunidade para a identificação da doença e adoção de medidas para a cura, antes do agravamento da saúde,” afirmou o secretário.