Sazonalidade da safra equilibra emprego na indústria em 2017,aponta Ciesp

A sazonalidade da safra da cana-de-açúcar colaborou para o equilíbrio do nível de emprego no setor industrial de Piracicaba ao longo de 2017, que fechou com uma marca positiva de 1,66% e a criação de 700 novas vagas de trabalho, conforme informação do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) regional de Piracicaba. Segundo a entidade, a diretoria de Piracicaba foi uma das cinco entre 36 diretorias que terminaram o ano com saldo positivo, ficando atrás somente de Limeira (7,51%), Araraquara (3,09%), Mogi das Cruzes (1,93%) e São Carlos (1,84%).
 
De acordo com o gerente regional do Ciesp, Homero Scarso, o setor sucroalcooleiro representa 70% do total dos empregos na diretoria de Piracicaba. “Dizemos que o setor ajudou a equilibrar porque, na média, ele contratou e demitiu na mesma quantidade. Em março, quando começou a safra, foram 1.300 postos e o mês ficou positivo em 3,13%. Já em dezembro, com o término da safra, o indicador ficou negativo em 2,92% com 1.300 demissões e boa parte delas relacionadas ao setor sucroalcooleiro”, disse.
 
Conforme lembrou Scarso, 2017 ainda não pode ser chamado de “ano de recuperação”, pois há setores em situação difícil como o de impressão (-46,55%), produtos minerais não-metálicos olaria e construção civil (-12,8%) e celulose, papel e produção de celulose (-5,4%). “São os segmentos que abastecem o mercado interno que passam por dificuldades, devido ao problema da economia e da política”, disse.
 
Os setores que tiveram boa melhora e vivem momentos “de alívio”, de acordo com o diretor regional do Ciesp, são os de máquinas e equipamentos (22,98%), veículos automotores e autopeças (15,65%), produtos de borracha e de material plástico (8,15%), produtos químicos (5,87%) e metalurgia (4,81%). “Estes setores estão interligados por causa da exportação. Temos importantes empresas do setor automobilístico e de produção de máquinas que cresceram muito vendendo para o mercado externo e isso deve permanecer ao longo de 2018”, ponderou Scarso.
 
Scarso enfatizou que ainda não é possível dar uma previsão de como será o ano, pois tudo ainda está “na incerteza” devido a eventos como eleições federais e copa do mundo de futebol. “O empresário está confiante, mas ainda não tem segurança para dar passos mais largos. Estamos no começo do ano e ainda é difícil prever alguma coisa, o que esperamos, pelo menos, é consolidar esta estabilidade que 2017 proporcionou a nossa cidade”, afirmou. Apesar disso, Scarso lembrou, que a cidade pode até ter bons números neste primeiro trimestre. “Até março, quando começa a safra, a manutenção das deve colaborar para novas contratações”, finalizou.