SemacTur recebe documentos que resgatam história do bairro Monte Alegre

Acervo será catalogado pela prefeitura; documentos também trazem informações do Engenho Central. (Foto: Amanda Vieira/JP)

Arquivo com escrituras, fotos e plantas da Usina Refinadora Paulista de Açúcar e da Usina Brasileira de Açúcar S/A foi doado à Prefeitura de Piracicaba. O termo de doação foi assinado na tarde de ontem (9) na SemacTur (Secretaria Municipal da Ação Cultural e Turismo). Os arquivos reúnem informações, respectivamente, a Usina de Monte Alegre, Guatapara e Tamoio, o Engenho Central, Rafard e Lorena. Os documentos farão parte do patrimônio cultural da cidade e do Estado.

Após catalogação, que poderá durar de um a um ano e meio, os documentos poderão ser consultados para pesquisas. Porém, durante quatro meses, estagiários do curso de História, da Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), já realizaram triagem, limpeza e organização do material, além de adequações no local de armazenamento do arquivo, uma casa no Parque do Engenho Central.

Para a secretária da SemacTur, Rosângela Camolese, “é um resgate importantíssimo, porque ali você vê parte da história da indústria e de famílias piracicabanas. Uma série de documentos e de escrituras que remontam àquela época, na qual podemos ver como era o giro da economia. É parte da história de Piracicaba, na qual a cidade se solidificou na parte da agroindústria”, comenta.

O acervo está em processo de tombamento a nível estadual, pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo), e municipal, pelo Codepac (Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Piracicaba).

Ao todo, foram triados e inventariados 223 metros lineares (m/l), 1.565 caixas-arquivos, dentre documentos textuais, fotografias e plantas. Com orientação das técnicas Renata Gava e Amanda Caporrino, os documentos foram organizados de forma sequencial, por lote, com informações como número de documento, tipo documental, título, resumo, data, entre outras.

Além disso, os documentos foram ordenados de acordo com recortes temporal – documentos datados até a década de 1980, período em que as usinas deixaram de funcionar, e temático – documentos diretamente relacionados às usinas e indiretamente, como insumos, elementos da produção, produto e serviços. Na outra parte da doação, 120 m/l acondicionados em arquivos de aço, esse processo será realizado pela SemacTur, por meio de projeto com captação de recursos via lei de incentivo.

Rosângela Camolese explicou ainda que os proprietários dos imóveis no bairro Monte Alegre, onde a documentação foi encontrada, se comprometeram com apoio operacional para a efetivação do inventário, além de recursos financeiros necessários. “O trabalho que garante a preservação desse material é de responsabilidade da Urbem Arquitetura e a coordenação operacional é do arquiteto Marcelo Guidotti. A SemacTur entrou com apoio no suporte técnico e supervisão profissional à equipe que trabalhou no inventário”, conta.

Os documentos sem valor de salvaguarda, segundo os recortes temporal e temático, por se tratarem de documentos fiscais e contábeis do antigo proprietário Silva Gordo, serão descartados após autorização do Condephaat.

Andressa Mota

[email protected]