Semae vai gastar R$ 2,2 milhões para reduzir perdas de água

O Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto) publicou ontem as licitações para os dois últimos projetos do seu plano para reduzir as perdas de água tratada em Piracicaba. O investimento previsto é de R$ 2,2 milhões para execução de obras em oito bairros. A expectativa é de que o índice de desperdício, hoje na casa dos 50%, chegue a 25% quando elas forem concluídas.
 
A maior parte dos recursos virá do Fehidro (Fundo Estadual de Recursos Hídricos), formado pela compensação financeira e royalties do uso da água na geração de energia elétrica. A primeira concorrência prevê obras na Vila Rezende e no São Dimas e está orçado em pouco mais de R$ 1,4 milhão. Já o segundo, que tem custo estimado de R$ 749 mil, compreenderá ações nos bairros Artemis, Colina de Piracicaba, Lago Azul, Canal Torto, Jardim Itaiçaba e Condomínio Terras de Artemis. Somados, os dois setores. 
 
As sessões públicas para entrega de envelopes das duas licitações foram marcadas para os dias 2 e 3 de abril. Todo o processo de análise de documentos e preços ofertados só deve ser concluído no final do semestre. A partir da assinatura do contrato e da emissão da ordem de serviço, as empresas contratadas terão 36 meses para concluir as obras.
 
Serão executados, nas duas regiões, serviços de confirmação dos setores de abastecimento, instalação de medidores de vazão, prolongamentos e interligações de rede, instalação de novas válvulas redutoras de pressão e sensores de pressão, automação das válvulas redutoras de pressão novas e existentes da região, construção de caixas, pesquisa de vazamentos não visíveis e os respectivos reparos.
 
Segundo o diretor do departamento de engenharia e saneamento do Semae, Pedro Alberto Caes, esses serviços vão gerar uma economia mensal de quase 43 mil litros de água. “Com a conclusão destes dois últimos setores, pretendemos alcançar índices menores que 25% de perdas”, afirmou. 
 
O relatório anual da Agência PCJ, divulgado em novembro de 2017, revelou que Piracicaba ainda desperdiça mais da metade da água e capta, trata e distribui para a população. Em 2016, último ano pesquisado, o índice foi de 54%. O município está entre os sete na lista da agência que perdem mais de 50%. Nas Bacias PCJ, atualmente, as perdas de água representam, em média, 35% do total captado e tratado. A maior parte dos municípios tem índice de perda que varia de 25,1% a 49,9%.