Servidores fazem assembleia de campanha salarial

O Sindicato dos Servidores Municipais de Piracicaba convocou para a próxima quarta-feira, dia 28, a primeira assembleia geral da campanha salarial de 2018. A categoria deve definir a pauta de reivindicações que será apresentada à administração. No ano passado, a falta de uma proposta de reajuste por parte do prefeito Barjas Negri (PSDB) quase gerou uma greve.
 
Segundo o diretor financeiro da entidade, José Osmir Bertazzoni, o funcionalismo deve pedir, no mínimo, a correção inflacionária do período. “Temos os dados de quatro índices oficiais de inflação que, em janeiro, deram uma média de 2,3%. Após a assembleia, vamos elaborar uma proposta e protocolar na prefeitura para dar início às negociações”, disse.
 
Os índices citados pelo sindicalista são o ICV (Índice de Custo de Vida), que teve variação de 2,49% nos últimos 12 meses, IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), com 2,51%, IPC (Índices de Preços ao Consumidor, com 2,5%, e o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), que variou 1,62% no período.
 
Com base em dados divulgados pela própria prefeitura em audiências públicas, técnicos do sindicato afirmam que o comprometimento das receitas com a folha salarial está abaixo dos limites previstos na Lei de Responsabilidade Fiscal o que permitiria, na visão da entidade, a concessão de um aumento em condições melhores que as do ano passado. Segundo a legislação, o município pode gastar, no máximo 54% do que arrecada com o funcionalismo, mas o TCE (Tribunal de Contas do Estado) trabalha com um limite “prudencial” de 51,3%. 
 
Após oferecer reajuste zero à categoria, o que deflagrou um estado de greve, Barjas apresentou uma proposta com aumento de 4,59% parcelado em duas vezes. Uma parte seria concedida na data-base, em março, e o restante no segundo semestre. Os servidores chegaram a rejeitar a oferta e marcar data para o início de uma paralisação, mas voltaram atrás após uma ameaça de corte no ponto. “Não tem como se discutir mais reajuste parcelado. Isso gera um descontentamento geral dos servidores e a queda na qualidade do serviço público. É até desumano. Vamos fazer uma proposta exequível e esperamos que a administração tenha disposição para negociar”, completou Bertazzoni. 
 
Por meio de sua assessoria de imprensa, a Prefeitura de Piracicaba afirmou que, até agora, nenhuma reunião sobre o reajuste do funcionalismo foi realizada. “Somente depois da assembleia de trabalhadores,programada para 28 de fevereiro, é que o sindicato poderá extrair a pauta de negociações” afirmou o secretário de Administração, Erotides Gil Bosshard.