Seu cão também é vegano

Crescimento no número de vegetarianos também reflete na alimentação dos pets. Será que é saudável?

A alimentação vegetariana e a vegana têm ganhado mais adeptos nos últimos anos. Segundo dados do Ibope (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística), o número de vegetarianos quase dobrou de 2011 a 2018, chegando a mais 29 milhões de brasileiros. Esse crescimento também se reflete no mercado pet, já que os donos também querem levar sua consciência e hábitos alimentares aos seus ‘bichinhos’.

Rações livres de traços animais, produzidas com farinhas naturais e proteína de soja, já representam grande parte dos lucros das empresas de alimentação animal. “Quem segue esse tipo de dieta faz isso por conta de uma filosofia de vida, então quer dar ao seu pet a mesma opção de alimento”, afirma Claudio Maia, gestor comercial de uma empresa de rações. “Conseguimos manter o valor nutricional, mas com 0% de carne”. A comercialização de produtos vegetarianos já soma 30% das vendas da companhia.

De acordo com a veterinária Mariana Bortolazzo, os cães podem se adaptar a uma dieta vegana, mas o assunto fica mais complicado quando se trata dos gatos. “Os cães são onívoros e podem se adaptar a uma dieta vegetariana ou vegana, que deve ser devidamente completa e balanceada para que satisfaça todas as necessidades nutricionais desses animais”, explica. “Já os gatos são carnívoros obrigatórios e possuem como característica o instinto predatório, isto é, mesmo alimentados, às vezes caçam pequenos animais. Outra característica importante na nutrição dos gatos é que ela deva fornecer os aminoácidos essenciais como, por exemplo, a taurina, que é somente encontrada em proteína animal”.

Como qualquer outra dieta, a alimentação vegana deve ser introduzida aos cães (nunca aos gatos) com a orientação de um veterinário, pois existem restrições ou necessidade de proteína e nutrientes específicos para cada faixa etária e raça. “Caso a deficiência de proteína não seja diagnosticada e tratada a tempo, ela provoca danos irreversíveis. Os problemas mais comuns em decorrência de uma carência de vitaminas são a perda e falta de brilho na pelagem, problemas dermatológicos, distúrbios gastrointestinais, problemas urinários, fraqueza, entre outros”, alerta a veterinária.

PETISCOS VEGETARIANOS
Se o seu ‘cãozinho’ vai “entrar de cabeça” em uma dieta vegetariana ou vegana, é interessante que você conheça quais frutas e legumes ele pode consumir. A veterinária Mariana Bortolazzo dá as dicas.

“É importante sempre testar a tolerância do seu animal, pois cada organismo, assim como em nós, seres humanos, podem ter restrições e reações individuais”, destaca. “Ofereça pequenas quantidades de uma fruta ou hortaliça que ele nunca comeu. Caso perceba que seu animal não tolera bem um alimento específico, não insista”.

Entre as frutas que os cães podem comer está a maçã (ótima para tratar diarreias), a pera (rica em potássio e fibra), morango (bom para a pele dos animais), banana (também rica em potássio e estimulante mental) e a melancia (perfeita para a hidratação). Nunca dê carambola, uva, cereja, ameixa e abacate.

Verduras e legumes também estão liberados. Pode agradar o seu pet com espinafre (ajuda a regular a flora intestinal), alface e repolho (fontes de ferro e de antioxidantes, assim como de propriedades analgésicas), cenoura (elimina a placa bacteriana dos dentes) e abóbora (cheia de fibras). Mas nada de cebola, ‘hein’!

 

Mariana Requena
[email protected]