Sindicato deve acionar Ministério Público contra Tozão

O Sindicato dos Trabalhadores Municipais pretende acionar o MP (Ministério Público) para que o órgão investigue a postura do vereador Osvaldo Schiavolin, o Tozão (PSDB). Na sessão de anteontem, o sindicato usou a tribuna da Câmara para condenar as agressões verbais que o parlamentar fez contra um servidor público da prefeitura. Após a fala dos sindicalistas, Tozão usou a tribuna, mas ignorou o assunto. 
 
O procurador e diretor financeiro do sindicato, José Osmir Bertazzoni relembrou as ameaças que o vereador teria proferido contra o servidor no momento do atendimento, no último dia 8, e as afirmações do tucano na sessão da Câmara no mesmo dia, quando disse que “se possível, eu queria bater a cabeça dela aqui em cima para rachar no meio”. 
 
No dia 13, após o sindicato orientar, o servidor registrou um BO (boletim de ocorrência) de ameaça contra o vereador. Agora, o órgão agora pretende levar o caso ao MP. “Isso (o caso) está sendo cuidado através de um boletim de ocorrência que foi dirigido à delegacia. E como nós entendemos que são dois tipos de crimes, um contra a pessoa, e um nós entendemos ser ação penal pública incondicionada à representação, que é o fato de crime de ameaça, nós vamos nos socorrer ao MP e à delegacia de polícia para que isso possa seguir avante”, disse Bertazzoni na tribuna. 
 
O procurador sindical afirmou que a representação está sendo feita pelo setor jurídico do sindicato, mas ainda não há uma data prevista para protocolo. O sindicato também protocolou no último dia 15 uma denúncia contra o vereador na Câmara, pedindo análise da conduta pela Comissão de Ética e Decoro Parlamentar. “O Tozão é persona non grata no funcionalismo”, disse Bertazzoni.
 
Para que a comissão possa analisar qualquer denúncia, é necessária a solicitação do presidente da Casa, Matheus Erler (PTB). De acordo com o Departamento de Comunicação Institucional da Câmara, o caso será analisado primeiro pelo Departamento Jurídico, “a fim de que emita parecer orientando o adequado procedimento”.
 
Após a fala do sindicato, chamou a atenção o fato de que Tozão solicitou uso da tribuna, mas não fez nenhum comentário sobre o caso. Durante quase 10 minutos, o parlamentar parabenizou sua sogra pelo aniversário, apresentou encaminhamentos e falou sobre corte de mato no entorno de escolas.
 
O JP ligou no celular de Tozão ontem à tarde. Um assessor atendeu e disse que ele estava em reunião. Nas ligações posteriores, as chamadas caíram na caixa postal.