Sobe para 97% a cobertura vacinal contra sarampo e pólio

vacina Vacinação continua hoje em Piracicaba: prevenção. ( Foto: Amanda Vieira / JP)

Um dia antes do término da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo, a cobertura vacinal na cidade subiu de 95% – que é a meta sugerida pelo Ministério da Saúde – para 97% do público-alvo que são crianças com idade de 1 ano e menores de 5 anos.

Levantamento divulgado ontem pela Secretaria Municipal da Saúde aponta que foram vacinadas 17.997 crianças contra a paralisia infantil (97,91%), sendo 4.157 com um ano, 4.419 com dois anos, 4.756 com três anos e mais 4.665 com 4 anos; e outras 17.756 contra sarampo (96,59%), sendo 4.038 com um ano, 4.386 com dois anos, 4.711 com três anos e 4.621 com quatro anos. Na região de Piracicaba, segundo o governo do Estado, a cobertura já é de 95%, onde foram vacinadas 68.945 crianças contra pólio e 68.141 contra sarampo na região, entre as 71,9 mil que totalizam o público regional.
Para conseguir ampliar a cobertura vacinal da campanha na cidade, as Secretarias de Saúde e Educação firmaram parceria para promover força-tarefa para percorrer as 89 unidades de educação municipal (escolas e creches) para imunizar crianças. A ação aconteceu entre os dias 24 e 31 de agosto e imunizou 1.708 crianças.
Apesar da conquista da meta, as ações de imunização e vacinação na atenção básica continuam hoje na cidade, das 8h às 15 horas em UBSs (Unidades Básicas de Saúde) e Crabs (Centros de Referência da Atenção Básica), e das 8h às 16 horas, em USFs (Unidade de Saúde da Família).

ESTADO – Segundo a pasta estadual da Saúde, a meta para cobertura vacinal no estado deve ser atingida ainda hoje. “Até segunda-feira (10), no total, SP já havia aplicado mais de 4 milhões de doses de vacinas contra ambas as doenças, garantindo a imunização de 2.022.141 crianças contra pólio e 2.002.525 contra sarampo. É muito importante chegarmos à meta de 95% de cobertura vacinal contra poliomielite e sarampo, pois isso contribui para a eliminação dos riscos da circulação dessas doenças. Não há registro de casos de paralisia infantil em SP há 30 anos e, desde 2000, não existem casos autóctones de sarampo no Estado”, afirma a diretora de Imunização da Secretaria, Helena Sato.

(Felipe Poleti)