Sonho de cursar medicina se torna realidade

Lorize falou com o JP sobre a alegria de cursar medicina. Foto: Divulgação

 

O sonho de cursar medicina se tornou realidade para Lorize Costa Viccino, 36, que foi contemplada com uma bolsa integral de estudos no novo câmpus da Anhembi Morumbi, em Piracicaba. De oito bolsas de estudos ofertadas pela instituição, Lorize ficou em terceiro lugar com a sua nota do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) de 2017.

Lorize é casada e mãe de dois filhos. Ela cursou engenharia mecânica por três anos, fez cursos de terapias alternativas e estava no 7º semestre de fisioterapia em outra universidade. A futura graduanda de medicina conta que nunca se sentiu realizada em nenhuma dessas profissões pois o verdadeiro sonho era a medicina. “Eu sempre tive o sonho de cursar medicina, desde muito pequena, a única pessoa que sempre me apoiou era a minha mãe, mas ela faleceu quando eu tinha 14 anos, e, por um tempo, eu deixei de lado esse sonho por não ter condições de me bancar em uma faculdade sozinha” relembra.

Em 2005, Lorize foi aprovada pelo vestibular da Unesp (Universidade Estadual Paulista) para cursar medicina mas não conseguiu realizar o sonho pois tinha uma filha pequena e, por esse motivo, não tinha condições de parar de trabalhar para estudar em outra cidade. “Foi um sonho que eu praticamente descartei, e, como não podia pagar por uma faculdade particular, acabei deixando de lado e parti para outras áreas totalmente diferentes. Fisioterapia foi o mais próximo que eu consegui chegar da medicina” relembra.

Ela relata que quando iniciou o curso de fisioterapia a vontade de cursar medicina se intensificou. “Quando soube que a Anhembi Morumbi viria para Piracicaba pesquisei e vi que eles tinham um processo para a concessão de bolsas de estudo e um dos pré requisitos seria a nota do Enem. Ano passado fiz a prova junto com a minha filha de dezoito anos, e fui relativamente bem e com essa nota conquistei a bolsa de 100% na instituição de ensino. Até agora a ficha ainda não caiu”, contou a estudante.

Para Lorize, a idade não faz diferença nenhuma. “Tenho 36 anos e vou começar agora, sei que nessa idade já tem muitos médicos formados e especializados, mas nem que eu tivesse 60 anos eu ainda faria o curso, não existe idade certa para realizar um sonho”, completou.

Ela estudou em escola pública e nunca fez cursinho. Dedicada, ela estudava em casa e por muitas vezes pensou que não conseguiria já que o curso de medicina é extremamente concorrido e com um valor muito elevado. “Só paga quem realmente tem uma condição melhor. Eu tenho uma filha de 18 e um de 3 anos e atualmente estou desempregada. Não tinha condições financeiras nenhuma”, afirma.

Ansiosa para o início das aulas, Lorize Viccino mostra-se encantada pela estrutura da universidade que vai estudar. “É uma faculdade muito conceituada no país, com tecnologias impressionantes, eu nunca vi nada igual, parece coisa de outro mundo” diz.
Segundo ela o processo para conquistar a bolsa é burocrático e desgastante. “É preciso comprovar a situação socioeconômica e de todos os membros da família, são muitos documentos” relembra.

“Minha ficha ainda não caiu, quando comecei a assinar os papeis da matricula e fui fazer a foto para a carteirinha, me disseram que tinham uma surpresa pra mim: experimentar o jaleco. Naquela hora comecei a chorar e foi muito emocionante. Um sonho que antes era tão distante, hoje é uma realidade”, finalizou.

As aulas da Escola de Medicina começarão no dia 6 de agosto, com a primeira turma de Medicina formada por 75 alunos.

Texto por: Raquel Soares