Superlotação está entre as reclamações de 77% dos passageiros

valor Valor da passagem também é citada em pesquisa. ( Foto: Claudinho Coradini/JP)

Pesquisa realizada pelo Observatório Cidadão de Piracicaba e coordenada pelo professor Roberto Braga, do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Unesp (Universidade Estadual Paulista) apontou que a superlotação dos veículos e o preço da passagem são as maiores causas de insatisfação dos usuários com o transporte público na cidade, sendo 77% e 71%, respectivamente. A pesquisa mostra ainda que a segurança nos pontos de ônibus aparece em terceiro lugar, com 50% das queixas. “Uma das leituras que podemos fazer por intermédio dessa pesquisa é que se a qualidade do transporte coletivo fosse melhor, o incentivo do uso também seria, o que aumentaria a receita da empresa”, avalia Bruno Vello, pesquisador na área de ciências políticas e membro do Observatório Cidadão de Piracicaba.

Foram ouvidas 319 pessoas e verificou-se que a faixa de renda familiar predominante em 46,5% dos entrevistados, que utilizam ônibus para o trajeto casa e trabalho, é de dois salários mínimos. A pesquisa, realizada em maio deste ano, também mostra pontos avaliados positivamente pelos usuários referentes aos motorista, que são considerados atenciosos, bons condutores ao volante e que respeitam as paradas de ônibus. A pesquisa contém ainda nove sugestões de medidas para a melhoria do transporte público, incluindo o aumento do número de ônibus e de linhas e que os custos dos benefícios tarifários sejam arcados com recursos do orçamento e não incluídos no preço da tarifa . “A pesquisa mostra de forma clara os pontos que merecem mais atenção na gestão da mobilidade urbana na cidade”, afirma Bruno Vello.

De acordo com a Semuttran (Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes), embora atualmente o carregamento das linhas esteja bem abaixo no normal, ocorre a reprogramação de linhas mediante ocupação residencial em determinados bairros, elevação do número de passageiros de faixas em horários específicos, o que já ocorre em bairros como Santa Fé, Novo Horizonte, Piracicaba I, II e III, Residencial Ipês, além de um projeto para o residencial Vida Nova. A Semuttran ressalta ainda, que nos horários de pico, das 5 às 8h e das 15 às 19h, o serviço de transporte coletivo opera com sua capacidade máxima de carregamento.

Quanto à tarifa, a Semuttran afirma que os projetos de transporte são realizados visando atender racionalmente a seu uso, de maneira que seu custo operacional esteja em conformidade com a arrecadação. Para melhor atender aos usuários, a Semuttran vai lançar um aplicativo para o transporte, o MooviT, que traz, de forma mais fácil e rápida, os horários de ônibus, trajetos. Para Jorge Akira, secretário da Semuttran, toda pesquisa é bem-vinda. É uma das maneiras de a Prefeitura melhorar ainda mais o serviço. Os itens abordados serão analisados pela administração, segundo o represente da pasta.

(Eliana Teixeira)