Tarifa pode reduzir 15% do gasto com energia

A entrada em vigor neste ano da tarifa branca pode resultar em uma economia de até 15% nos gastos com energia elétrica para a unidade consumidora que fizer essa opção.
 
Desde o dia 1º, a tarifa é oferecida aos consumidores com média mensal superior a 500 kWh. Em 2019, passarão a ser atendidas também as unidades com consumo médio de 250 kWh e, em janeiro de 2020, todos os consumidores de baixa tensão terão direito de aderir à tarifa.
 
Apesar de parecer atrativa, a iniciativa deve ser observada com atenção porque, se o cliente da concessionária não mudar seu hábito de consumo, a conta de luz pode ficar mais cara. “O cliente tem que ser disciplinado no gerenciamento de seu consumo, pois o horário de utilização da energia é fundamental para a economia na conta de luz”, informa a concessionária (confira nesta página os critérios para adesão).
 
Isso pode acontecer porque, para ter acesso ao desconto máximo, o consumidor terá de concentrar todo o seu consumo de energia no período das 22h às 16h59 sem horário de verão e das 23h às 17h59 com a vigência do horário de verão, portanto, fora dos chamados horários intermediário e de ponta ou de pico, quando a demanda por energia é maior.
 
“O consumidor precisa analisar se vai conseguir realmente mudar seus hábitos de consumo. Caso contrário, a conta pode ficar mais cara”, disse o gerente de regulação econômica da CPFL (Companhia de Força e Luz) Márcio Roberto.
 
Se o cliente entender que a tarifa branca lhe será mais atrativa, ele deve ir até uma agência de atendimento da CPFL e solicitar a troca do medidor, que deverá feita gratuitamente. O retorno à tarifa convencional poderá ocorrer caso o consumidor não consiga se adequar.
 
O sócio proprietário de uma casa de frios na rua Bernadino de Campos, Gabriel Carvalho, não que não seria conveniente aderir à tarifa branca. “Não vale a pena porque os freezers ficam ligados o tempo todo. Inicialmente, quando ficamos sabendo, fiquei animado, mas fui ler como funciona e vimos que não vale a pena”, disse.