Taxas futuras de juros recuam com dólar mais fraco e desaceleração do IPC-S

Os juros futuros recuam na manhã desta terça-feira, dia 2, alinhados à queda do dólar ante o real e outras moedas ligadas a commodities após a alta do PMI industrial da China em dezembro.

O fechamento da curva se deve ainda à decisão da Aneel de colocar a bandeira tarifária na cor verde para este mês de janeiro, a falta de anúncio de rebaixamento do crédito soberano do Brasil e à desaceleração do IPC-S em dezembro (+0,21%), conforme antecipou o operador de renda fixa Thiago Castellan Castro, da Renascença DTVM, em nota a clientes.

Às 10h20 desta terça, o DI para janeiro de 2019 exibia 6,85%, de 6,87% no ajuste de quinta-feira (28). O DI para janeiro de 2020 marcava 8,03%, de 8,07%, enquanto o vencimento para janeiro de 2021 estava em 8,98%, na mínima, de 9,06% no ajuste anterior. Já o DI para janeiro de 2023 marcava 9,91%, na mínima, de 9,99% no ajuste de quinta-feira.