Tecnologia é a aliada dos jovens na busca pelo primeiro emprego

Muitas empresas têm feito o processo seletivo via online, e isso é um ponto positivo para o público jovem. (Foto: Freepik)

Conseguir o primeiro emprego não é uma tarefa fácil, principalmente quando exigem no descritivo das vagas: “necessária experiência na área”. É aí que entra a capacitação e o estudo, para tentar diminuir a distância entre o profissional e o empregador, que busca um indivíduo que seja compatível e tenha o conhecimento necessário para atuar no cargo pleiteado.

Para não desanimar na busca, é importante ter em mente que as empresas, em grande parte, buscam inovação e mentes que possam renovar sua forma de trabalho, portanto o jovem é valioso.
A tecnologia é, mais uma vez, a medida tomada pelas empresas para a resolução de seus problemas. Plataformas online recebem as informações cedidas pelas organizações referentes ao perfil esperado para suprir uma vaga e buscam a compatibilidade com os dados cadastrados no sistema pelos candidatos.

“Em vez de só chamar a ‘atenção’ do candidato quando existe a vaga aberta, as empresas estão começando a investir em um processo de relacionamento de longo prazo com seus perfis foco”, revela Du Migliano, CEO da plataforma 99 Jobs, referência em compatibilidade de valores entre empresa e candidato.

Os diferenciais da plataforma são, segundo os idealizadores da 99 Jobs, com base em algoritmos, recomendar oportunidades condizentes com o perfil do candidato, com base no que ele informa ao sistema; o uso da inteligência artificial para sugerir vagas para candidatos que tenham o perfil procurado e aderência cultural com a empresa que vai contratar; autoajuste da plataforma até que ela ache o perfil de vaga, e de empresa, que faça mais sentido para o usuário; o uso do histórico dos usuários nas plataformas como guia para a recomendação de novas vagas, e a distribuição de vagas por todo o país, com oportunidades em diversas áreas.

O papel das plataformas recrutadoras de RH é oferecer novas perspectivas e processos seletivos nos quais o candidato possa se inscrever, o que aumenta a chance de que a empresa encontre o funcionário “perfeito” para a vaga.

Já no processo de cadastramento o concorrente pode conhecer a organização, o trabalho que realiza, seu impacto na sociedade e na comunidade a sua volta – tudo antes de concluir o processo de inscrição. Quanto mais o candidato conhecer sobre a empresa em que vai trabalhar, melhor para os dois.

É interessante que a forma de se procurar o primeiro emprego aconteça por um canal que é comum ao dia a dia do jovem. Quando o processo seletivo acontece por meios online, isso pode gerar maior conforto e confiança nesse público-alvo. “Por isso, nós testamos tanto e fazemos uma imersão muito qualificada em todos os processos seletivos. Nossos projetos são desenhados conforme os atributos culturais de cada empresa, o que os torna totalmente personalizados para necessidades específicas”, ressalta Migliano.

 

Mariana Requena
[email protected]