Terapia Sexual e Saúde Sexual

Como afirma o Dr. Nelson Vitiello: ‘O que se compreende por terapia sexual é na verdade um conjunto de técnicas (comportamentais, cognitivistas, corporais e outras) a ser utilizado no tratamento de um sintoma, de uma disfunção ou inadequação sexual. A terapia sexual vê esses problemas como sintomas e se propõe a tratá-los. Não tem como proposta o tratamento de fatores psicológicos mais profundos, nem pretende substituir outras formas de terapia. Tal visão se lastreia na hipótese de que, estando normais os aspectos orgânicos, o sintoma disfunção sexual é uma forma inadequada de comportamento. Assim, em essência, a proposta da terapia sexual é promover uma ‘reeducação‘ sexual. Na verdade, vista sob esse ângulo, a terapia sexual é apenas uma forma rápida de resolução de um sintoma, que permite ao paciente, se for o caso, buscar posteriormente, com mais tranquilidade, uma forma de terapia mais profunda que possa realmente lidar com as causas psicológicas ou sociais da sua disfunção‘.

Quando acontece de o (a) paciente vir à primeira vez ao nosso consultório com alguma queixa sexual temos por norma investigar, primeiramente, sobre as avaliações orgânicas que por ventura tenha feito ou se submetido. Caso contrário, solicitamos ao paciente que procure o seu médico, concomitante ao processo psicoterápico, e traga um parecer ou uma avaliação onde supostamente não exista nenhuma causa orgânica. Ou seja, enquanto não forem investigadas todas as possíveis causas orgânicas da disfunção sexual o tratamento psicoterápico pode criar um viés e se tornar falho. Portanto, é necessário ficar claro e transparente que o paciente não tenha nenhum problema orgânico relacionado à sua disfunção sexual. Claro que, frequentemente, pela interação total entre o orgânico e o psicológico, qualquer dessas formas acaba por comprometer a outra. Assim, disfunções orgânicas levam a problemas psicológicos e disfunções inicialmente psicogênicas terminam por comprometer o orgânico. No caso específico das disfunções psicogênicas, são elas claramente apenas um sintoma de um problema mais profundo.

Saúde sexual: “A saúde sexual é a habilidade de mulheres e homens para desfrutar e expressar sua sexualidade, sem riscos de doenças sexualmente transmissíveis, gestações não desejadas, coerção, violência e discriminação. A saúde sexual possibilita experimentar uma vida sexual informada, agradável e segura, baseada na autoestima, que implica abordagem positiva da sexualidade humana e respeito mútuo nas relações sexuais. A saúde sexual valoriza a vida, as relações pessoais e a expressão da identidade própria da pessoa. Ela é enriquecedora, inclui o prazer e estimula a determinação pessoal, a comunicação e as relações (Ministério da Saúde – Secretaria de Atenção à Saúde)”.

Vale notar que a sexualidade é uma importante dimensão da vida, abrangendo aspectos biológicos, psíquicos, sociais, culturais e históricos. Não se restringe à meta reprodutiva, sendo constitutiva das relações amorosas e do laço afetivo entre as pessoas.

(Luiz Xavier)