Tomadas merecem atenção na hora de construir

Detalhes do projeto, as tomadas e sua localização são importantes para garantir conforto e praticidade. (foto: Raul Fonseca)

As tomadas são detalhes em meio a enxurrada de questões a serem resolvidas quando se constrói uma casa, mas farão muita diferença na comodidade e conforto de quem irá morar ali.

Se bem posicionadas, podem fazer uma enorme diferença na praticidade de grande parte das atividades dentro do lar – afinal, quem nunca sentiu que faltava uma tomada exatamente naquele canto específico?

Para a arquiteta Cristiane Schiavoni, o planejamento elétrico de uma residência deve ser feito por meio de uma análise do layout do projeto e de tudo o que envolva a parte elétrica. “Nesta hora, é ideal estar atento às normas da ABNT e saber quais são as necessidades do morador para aquele ambiente e como as tomadas serão usadas”, explica.

De acordo com a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), algumas normas devem ser seguidas por arquitetos e designers de interiores na hora de escolher os pontos de instalação tomadas. Além da inclusão de um plugue a cada 3,5 m de parede, o órgão define três alturas ideais: baixa (por volta de 30 cm do chão); média (em torno de 1,20 m do chão) e alta (em torno de 2 m do chão).

Após a análise, é hora de fazer o projeto sair do papel. Na maioria das vezes, um eletricista dá conta do trabalho, mas em casos específicos um engenheiro elétrico precisa ser acionado para que seja feito o dimensionamento de cargas, além de uma avaliação específica do quadro de luz.

QUARTOS E SALAS

Para esses ambientes, conforto é a palavra de ordem. São cômodos em que boa parte dos eletrônicos são ligados e o posicionamento acessível deles deixa a rotina muito mais prática. “Trata-se de um ambiente em que é necessário deixar as tomadas de fácil acesso, sem que seja preciso puxar móveis para usá-las, por exemplo.”, conta Cristiane.

A profissional indica que os melhores lugares para posicionar as tomadas nesses cômodos são acima da bancada da TV, do criado-mudo ou ao lado de uma poltrona, sempre lembrando de dosar a altura para que os carregadores possam ser colocados e retirados com facilidade. “Eu sempre faço uma brincadeira em que imagino onde a pessoa vai sentar para ligar o notebook ou carregar o celular e qual será a melhor maneira de posicioná-la para que tenha fácil acesso”, afirma a arquiteta.

Praticidade e segurança devem andar juntar quando o assunto é eletricidade na cozinha. (Foto: Carlos Piratininga)

COZINHAS

Na cozinha, praticidade e segurança devem andar lado a lado. Além de instalar cada eletrodoméstico seguindo as instruções de voltagem do manual, é preciso ficar atento às tomadas localizadas próximas à umidade.

Para evitar acidentes, Cristiane sugere que os plugues sejam instalados acima de 1,20 m, para evitar que fique próximo da torneira.

BANHEIRO

Aqui, ambiente por onde passa o ritual de beleza do dia, a posição da tomada deve ser pensada para o bom uso de aparelhos como secadores de cabelo, chapinhas e barbeadores.

Seja qual for o cômodo da casa, ao final do projeto é importante pensar na estética das tomadas para que elas harmonizem com a decoração. “É preciso deixar tudo bem nivelado para que nenhuma caixinha de luz fique torta e assim, combinar os acabamentos das tomadas com a estética do projeto em si”, indica a arquiteta. “É possível escolher o tamanho, as cores e até a textura para que a peça faça parte de todo o projeto”.

BOX

A polêmica dos três pinos

O governo de Bolsonaro retomou a polêmica da tomada exclusivamente brasileira ao sugerir que sua imposição seja abolida do país.

Obrigatória desde 2011, a tomada de três pinos não será abolida com tanta facilidade, já que especialistas apontam que o custo de reestruturação de construções, feitas nos últimos oito anos com o uso desse modelo de plugue, seria bem alto.

A proposta continua em discussão e a esperança do Governo, agora, é conseguir o apoio do Inmetro.

Mariana Requena
mariana.requena@jpjornal.com.br