Tribunal de Contas fiscaliza AME em Piracicaba

O TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo) realizou anteontem uma fiscalização no AME (Ambulatório Médico de Especialidades) de Piracicaba. A ação fez parte de uma operação em hospitais e ambulatórios do Estado, que consiste na averiguação in loco das unidades. No entanto, ainda não foi divulgado se algo de irregular foi identificado no ambulatório piracicabano, que é de responsabilidade do Estado.
 
Ao todo foram inspecionadas 66 entidades em 50 municípios. O objetivo, segundo o TCE, foi verificar as condições dos serviços oferecidos à população. A fiscalização começou às 8h e envolveu 76 agentes de fiscalização. Para o presidente do TCE, Renato Martins Costa, além de apontar as possíveis irregularidades, a ação também teve um “caráter preventivo”, buscando incentivar o gestor a identificar as falhas de sua gestão. “Ir a campo, checar in loco aquilo que traz benefício direto ao cidadão, comparar com as fiscalizações anteriores e trazer esse tipo de atividade para o nosso campo de atuação no dia a dia, me parece ser o futuro da fiscalização do Tribunal e do controle externo”, afirmou Costa. 
 
A AME de Piracicaba funciona na Rua Riachuelo, no Jardim Elite. O JP questionou o TCE para saber se foi identificada alguma irregularidade na unidade piracicabana, mas foi informado que o relatório consolidado ainda não foi concluído. “Um relatório consolidado, com dados segmentados e regionalizados das entidades fiscalizadas, está em fase de conclusão e será encaminhado aos Conselheiros relatores de processos ligados às entidades fiscalizadas”, informou a assessoria de imprensa do TCE. 
 
Em um contexto estadual, a ação detectou algumas impropriedades e irregularidades nos locais visitados, como superlotação no atendimento e controle deficiente dos médicos terceirizados. Durante a inspeção os agentes também checaram com os pacientes a qualidade do atendimento e o grau de satisfação dos usuários. 
 
Através de sua assessoria de imprensa, a Secretaria de Saúde do Estado, responsável pelo AME Piracicaba, informou que ainda não foi notificada pelo TCE sobre o caso.