Um homem sábio

O que é a sabedoria? Encontramos pessoas inteligentes, bem informadas e formadas, com vasto currículo e o que podemos chamar de conquistas de sucesso e aqui, na vizinha Rio das Pedras, encontramos o centenário riopedrense Américo Froner. Ele chegou aos 100 anos no dia 14 de outubro, porém mais que tempo vivido esse homem se define pela forma como viveu. Leia mais na matéria de Rodrigo Guadagnim, que está publicada na página A 5 desta edição.

Aos 20 anos deixou de comer carne ao se compaceder com o abate de um boi. Mais de 80 anos depois, os veganos começam a discutir a crueldade animal e formas de evitá-la. Filho de um austríaco que falava italiano, Froner já nasceu internacional e viveu localmente na pacata Rio das Pedras, onde produzia fubá num moinho como ele centenário, que fica no fundo de sua casa.
Pelo rádio de madeira, ele acompanhou os terrores da Segunda Guerra Mundial com o temor de ser chamado, já que podia embarcar a qualquer momento. Ele não foi, mas o trauma da guerra atravessou continentes e mares para marcá-lo. Pacífico, esse homem diz que preferia morrer a matar. Abrir mão da própria vida diante de suas convicções não é coisa para qualquer um.
Hoje, quando os brasileiros vão eleger seu próximo presidente da República, o que mais desejo é sabedoria como a desse senhor modesto e sábio. Ele acompanhou a guerra sem se deixar contaminar pela agressividade destrutiva ou se intoxicar com o ódio.

O ódio é um sentimento que destrói mais seu autor que o foco de seu sentimento, por isso gastar nossa energia com isso é, no mínimo, desperdício de força vital. Talvez tenha sido assim que homens, como Américo Froner, tenham conquistado o direito a viver tanto, com economizando o que nos é muito caro: saúde e vida.

(Alessandra Morgado)