Unidade de grãos é estímulo à diversificação de culturas

coplacana No Boitel,o gado fica em média 90 dias para engorda e é tratado por veterinários. ( Foto: Amanda Vieira/JP)

A diversificação de culturas com vistas à rentabilidade dos negócios no campo é incentivada pela Coplacana, que mantém ações de apoio ao produtor como a Unidade de Grãos, com silos para secagem e armazenamento de soja e milho, além do confinamento de gado, também conhecido como boitel. A Unidade fica à margem da Rodovia do Açúcar (SP-308), em área de quase 30 alqueires, no bairro Taquaral.

A Unidade de Grãos, conta Arnaldo Bortoletto, começou com um projeto de estímulo à produção de biodiesel, cerca de dez anos atrás. O intuito era incentivar os produtores rurais a plantarem soja em revezamento de cultura com a cana-de-açúcar – e depois comercializassem a semente e seu biodiesel, gerando novas oportunidades de negócio e renda.

O biocombustível foi descontinuado, porém o revezamento de culturas foi muito bem aceito pelos produtores e a soja hoje é processada para ser comercializada principalmente in natura e em subprodutos como farelo e óleo bruto.

A diversificação foi bem-sucedida: dos dois silos projetados inicialmente, hoje já são oito, com capacidade de armazenagem simultânea de 400 mil sacas. E, somente nesta safra, já foram processadas 660 mil sacas do produto.

Paralelamente à soja, há quatro anos foram abertos espaços para secagem e armazenagem de milho, com três silos e capacidade de estoque de 370 mil sacas do grão.
‘É um projeto que deu muito certo. A soja é uma cultura que se encaixa na área de renovação da cana e trouxe uma nova oportunidade de negócios para o produtor, que muitas vezes ficava restrito à cana-de-açúcar como fonte de renda‘, disse Bortoletto.

Coordenador de Unidade da Coplacana, Evandro Nasato reforça que a maior parte da soja vai para exportação – cerca de 95%. Os outros 5% passam por processamento e a parte do farelo é utilizada como componente na ração animal produzida pela fábrica da cooperativa. No caso do milho, todo grão é utilizado para ração animal.

1.900 cabeças de gado estão no boitel
A Coplacana também destina um espaço específico para confinamento de gado, conhecido como boitel. O local é alternativa principalmente para pequenos e médios pecuaristas para enfrentar períodos de estiagem, que provocam escassez da pastagem.

O animal fica em média 90 dias no espaço para engorda e é tratado por uma equipe de veterinários de plantão. Em geral, os animais entram com uma média de 350 quilos e saem com 490 quilos – aumento de 40% do peso inicial. O serviço é pago após a retirada do animal e varia conforme o peso registrado na entrada e saída do boitel.

O confinamento já recebeu mais de 25 mil cabeças de gado e hoje conta com cerca de 1.900 animais confinados, propriedade de 30 cooperados, informou Nasato.

Loja tem mais de 12 mil itens
Além de todos os serviços oferecidos aos cooperados, a Coplacana mantém loja com mais de 12 mil itens diversos de utilização no campo. São produtos veterinários, rações, sal mineral, pneus, filtros, lubrificantes, ferramentas, roçadeiras, produtos químicos e demais materiais do dia a dia do produtor rural.
A cooperativa também investirá em remodelação física da loja, com novos checkouts, o que deve ser concluído até o final deste ano.

Fábrica de rações terá capacidade triplicada

Atentas às demandas do produtor rural, a Coplacana tem feito novos investimentos também em sua fábrica de rações. A cooperativa fará reformas em sua unidade fabril de Piracicaba, que funciona há cerca de 20 anos, e iniciará as atividades de uma planta arrendada em Tietê (SP) – o que duplicará a capacidade produtiva em curto prazo e triplicará em médio prazo.

A fábrica atual, na matriz da Coplacana, produz mensalmente cerca de 4 mil toneladas de rações variadas. Com a nova unidade, serão entregues ao mercado 8 mil toneladas/mês, com possibilidade de chegar a 12 mil t/mês posteriormente, informou Ronaldo Sérgio Posse, médico veterinário e gerente de produção da fábrica.

Hoje, a unidade produz rações para ave poedeira nas duas fases (cria e postura), para ave de corte (inicial e engorda), rações em linha completa para equinos, suínos, caprinos e ovinos, além de rações para gado de corte e gado de leite, lactação e confinamento de bovinos.

‘Uma das características da nossa ração é que usamos produtos nobres e não há mudanças na formulação. Caso alguém precise de outra fórmula, atendemos às necessidades específicas naquele caso, mas a ração que o produtor encontra é sempre a mesma e tem uma ótima aceitação. A ração Coplacana é muito conceituada no mercado e atendemos ao Estado inteiro‘, disse Posse.

As alterações na unidade fabril de Piracicaba consistem principalmente no recebimento de novos equipamentos, o que deve ser concluído até o final deste ano, segundo o gerente.

( Da Redação)