Unimep terá que reintegrar professores amanhã

Uma nova cena da “queda de braço” entre Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba) e seus docentes acontece amanhã, a partir das 9h, no campi Taquaral, quando um oficial de Justiça fará cumprir nova determinação da Justiça do Trabalho e reintegrar judicialmente 21 professores da universidade que ainda não retornaram aos seus antigos cargos.
 
Alexandre Palhares de Andrade, advogado do Sinpro (Sindicato dos Professores de Campinas), diz que a Justiça “reconheceu o abuso de direito cometido pela Unimep ao não reintegrar os docentes”, determinou a apuração da multa e designou reintegração. 
 
“Portanto, todos os docentes interessados na reintegração devem comparecer nesse dia e apresentar-se ao oficial de Justiça. Os docentes devem ter calma e paciência no dia agendado, pois a providência determinada é complexa e devem ser preenchidos documentos pelo oficial. Dificuldades ou situações particulares devem ser relatadas, posteriormente, ao Departamento Jurídico do Sinpro para que, oportunamente, sejam solucionadas”, informou.
 
Conceição Fornasari, secretária geral do Sinpro, enfatizou não há mais motivos para a universidade ir contra os docentes. “Não serão apenas 21, como expressa a determinação, mas sim a todos os professores dispensados pela Unimep. A universidade tentou novamente protelar a última decisão da Justiça, mas não conseguiu e agora terá, a força, que devolver os professores aos seus verdadeiros postos.” 
 
No documento, a Justiça indefere o requerimento da Unimep quanto à reconsideração da multa aplicada, que, inclusive, foi mantida pelo TRT. “A reintegração dos docentes se trata de obrigação personalíssima imposta ao IEP que, sequer comprova a efetiva reintegração ao labor dos docentes consoante determinado pelo Juízo, se limitando a apresentar tabela com a pretensa relação dos professores (21) que estariam suposto ‘em processo’ de reintegração”.
 
 
TAC — No início do mês, os professores e funcionários da Unimep firmaram um TAC (Termo de Ajuste de Conduta) junto ao MPT (Ministério Público do Trabalho), em Campinas, para que o IEP (Instituto Educacional Piracicabano da Igreja Metodista), mantenedor da Unimep, se comprometendo a efetuar o pagamento integral do salário, até o 5º dia útil de cada mês, e também do 13º salário de todos os seus empregados, no prazo imediato. 
 
O TAC foi proposto pela procuradora Clarissa Ribeiro Schinestsck. “Caso descumpra o TAC, a IEP pagará multa de R$ 50 mil por item, além de multa diária de R$ 1 mil, reversível ao Fundo de Amparo Trabalhador (FAT)”, informou.
Procurada pela reportagem, a reitoria da Unimep não se posicionou sobre a decisão do MPT até o fechamento da reportagem.