Uso de fuzis pelo crime organizado em SP e Rio dobra; apreensões caem

O uso de fuzis por criminosos no Rio e em São Paulo quase dobrou nos últimos cinco anos, ao mesmo tempo em que as apreensões de todos os tipos de armas feitas pela Polícia Federal nas fronteiras do País caíram 60,9% em 2017 (759) na comparação com 2013 (1.944). Só no Paraná, uma das principais rotas de entrada de armas e drogas no Brasil, a queda das apreensões foi de 78% no período.

Como a maioria dos fuzis nas mãos dos criminosos não é fabricada no País, esse tipo de arma deve passar pela fronteira, cuja responsabilidade pela fiscalização é da PF. O que mostra que elas continuam entrando no Brasil é o aumento das apreensões feitas por polícias estaduais, que encontram os fuzis já com as quadrilhas.

No Rio, as Polícias Civil e Militar apreenderam no ano passado 499 fuzis, um recorde – em 2013, haviam sido 256. Em São Paulo, só no primeiro semestre de 2017, as polícias do Estado apreenderam cerca de uma centena de fuzis – aumento de 20% em relação a 2016. “Nunca vi tanto fuzil na mão de bandidos como agora”, afirmou o delegado Ítalo Zaccaro Neto, do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

O Estado consultou oito delegados da Polícia Civil e da Polícia Federal e especialistas sobre um dos pontos principais da atual crise da Segurança Pública no País: o aumento do poder de fogo de bandidos ligados a facções criminosas, que disputam o controle do tráfico.
A falta de controle das fronteiras, dos portos e dos aeroportos é uma das principais causas dessa situação, segundo os especialistas. Os números da Polícia Federal mostram que, das 48.497 armas apreendidas pelos agentes no Brasil de 2013 a 2017, apenas 6.825 foram encontradas nos Estados da fronteira seca. Mas não foi só ali que as apreensões de armas diminuíram. No País, a diminuição foi de 54,6%. Hoje, a unidade da federação onde os federais mais aprendem armas é o Distrito Federal.

“A Polícia Federal não pode abandonar o combate aos crimes violentos para atuar apenas contra o que dá mídia”, afirmou o coronel José Vicente da Silva Filho. Ex-secretário nacional de Segurança Pública na gestão Fernando Henrique Cardoso, o coronel diz que a queda no número de apreensões não é resultado da diminuição de circulação de armas de fogo, pois os indicadores de crimes violentos não caíram no País.

No Rio, onde a Polícia Civil em uma única operação em 2017 apreendeu 60 fuzis no aeroporto do Galeão – que teriam sido encomendados pelo traficante de drogas Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157 -, a Polícia Federal concentra apenas 1,5% das armas recolhidas no País por seus agentes. Para um delegado federal ouvido pelo Estado, esses números são reflexo das dificuldades atuais para se rastrear a comunicação de traficantes por aplicativos. O Estado procurou a direção da PF na semana passada, mas não obteve resposta.

Para Rafael Alcadipani, professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) e membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a maior deficiência no combate ao tráfico de armas e de drogas está na fiscalização dos portos. Parte dos fuzis entraria no País em contêineres desembarcados no Rio, em Santos e Paranaguá. Para ele, apesar de as armas pequenas ainda serem as mais usadas pelos criminosos comuns, os portos são o “X” da questão quando se trata de crime organizado. “E aí conta muito o poder econômico do Primeiro Comando da Capital.”

Rotas

As armas importadas pelo Comando Vermelho e pela Família do Norte (FDN) chegariam ao País, principalmente, por via marítima. Já as que entram no País para o PCC e seus aliados, como a Amigos dos Amidos (ADA), no Rio, viriam do Paraguai e da Bolívia, em caminhões graneleiros. “As armas vêm com drogas e as quadrilhas especializadas em roubos estão interligadas com o tráfico. A guerra entre as facções fez com que até as biqueiras se armassem em São Paulo”, afirmou o delegado Ruy Ferraz Fontes, diretor do Departamento Estadual de Prevenção e Repressão aos Narcóticos (Denarc).

Outra forma é trazer armas para o Brasil usando a internet. Lojas online nos Estados Unidos vendem partes de fuzis, como AR-15, e aceitam até bitcoin como forma de pagamento. Os bandidos usam endereços de laranjas para receber as entregas e montam as peças no Brasil. Gasta-se cerca de US$ 1 mil (R$ 3,2 mil) para montar fuzis que podem ser vendidos por até R$ 50 mil. “Há lojas que fazem ofertas na internet, disse o delegado Luiz Carlos do Carmo, do Deic.

Até pequenos traficantes buscam armamentos

A briga entre facções rivais no País levou até os pequenos traficantes de droga a se armarem em São Paulo. Em um mês, policiais do Departamento Estadual de Prevenção e Repressão a Narcóticos (Denarc) foram recebidos a bala em dois pontos de venda de drogas em São Paulo – um na zona sul e outro na zona norte. Os confrontos deixaram um acusado morto e outro ferido. “Isso não acontecia. O pequeno traficante não portava arma de fogo”, disse o diretor do Denarc, delegado Ruy Ferraz Fontes.

Com um dos acusados, os investigadores do departamento encontraram uma submetralhadora Beretta, calibre 9 milímetros. O tiroteio aconteceu no dia 6, na Rua Cristóvão Pereira, na Favela do Buraco Quente, no Campo Belo, zona sul. De acordo com os investigadores, um suspeito correu na direção de um barraco para fugir depois de ter sido avistado pelos policiais. Dali, o acusado Paulo Eduardo Felipe Luiz, de 18 anos, teria disparado vários tiros. Ele estaria com 53 porções de maconha, 28 de cocaína e 5 pedras de crack.

Uma semana antes, policiais do Denarc foram recebidos a tiros por dois acusados de manter um pequeno ponto de venda de drogas no Jaçanã, zona norte. “Um dos acusados estava com uma pistola do Exército argentino”, afirmou o delegado. Os dois foram presos – um deles ficou baleado. A dupla tinha apenas 60 gramas de drogas. “O confronto entre Primeiro Comando da Capital, o Comando Vermelho e a Família do Norte fez com que até pequenos traficantes se armassem com receio de que rivais tentem tomar suas biqueiras”, contou Fontes.

De acordo com o delegado Ítalo Zaccaro Neto, do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), outro fator que tem provocado a proliferação de fuzis no Estado é o fato de as quadrilhas contratarem bandidos de acordo com as necessidades. Criminosos que têm fuzis são considerados peças importantes. E como muitos dos novos traficantes eram antigos assaltantes, eles passam a alugar armas e carros para grandes roubos, recebendo parte do que foi obtido. Esse seria o caso das quadrilhas especializadas em roubos de caixas eletrônicos e carros-fortes.

Para fazer frente a esses bandidos, há dois anos as Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) da Polícia Militar adotou como armamento padrão de suas equipes dois tipos de fuzis – um de calibre 5,56 mm e outro de calibre 7,62 mm. No ano passado, foi a vez de esse tipo de armamento chegar a todas as unidades da PM no interior do Estado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.