Varejão estima vender 10 toneladas de pescado

Consumidores encontrarão diversas espécies, além de pescados mais nobres (Foto: Amanda Vieira/JP) Consumidores encontrarão diversas espécies, além de pescados mais nobres (Foto: Amanda Vieira/JP)

A população de Piracicaba tem até amanhã, ao meio-dia, para comprar o tradicional peixe da Semana Santa. A Sema (Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento) promove desde anteontem a 22ª edição do Varejão Especial de Pescados, nas dependências do Varejão Central – avenida Armando de Salles de Oliveira, com as ruas D. Pedro II e Santa Cruz.

Hoje o varejão funciona das 14h às 19h e amanhã das 6h às 12h. Em 2018 foram comercializadas, aproximadamente, 80 toneladas de hortifrutigranjeiros e dez toneladas de pescados. No total, 20 mil pessoas foram atendidas pelo comércio. A expectativa para este ano é, ao menos, repetir os números do ano passado.
Seis permissionários comercializarão pescados de água doce e salgada congelados, vindos de entrepostos como Bom Peixe. Peixes frescos virão do Ceasa de São Paulo, com preços e qualidade controlados por agentes da Sema.

Os consumidores encontrarão peixes como cascudo, curimbatá, corvinas e também pescados mais nobres, como pintado, filhote e bacalhau fresco.

O varejão especial também terá bancas de frutas nacionais e importadas, cereais, citros, bananas, verduras, legumes, utilidades domésticas, bancas de produtos orgânicos, de temperos e condimentos, ovos, frios, laticínios e aves, e a tradicional banca de pastel, salgados e refrigerantes.

Segundo a diretora do Depab (Departamento de Abastecimento) da Sema, Eliane Oliveira de Souza, a secretaria pesquisou os comércios varejista e atacadista do ramo para elaborar uma tabela de preços para o consumidor. “Queremos que o consumidor faça economia. No local será encontrada uma grande variedade de pescados”, destacou.

A comerciante Tânia Fuzato atua há dois anos no varejão de pescados. Ela contou que ficou surpresa com o movimento de consumidores na tarde de ontem e acredita que hoje e amanhã será bem maior. “Estava achando o pessoal quieto mas, de repente, lotou aqui”, comemorou.

Ela disse que há variedade de peixes e de valores, que vão desde o porquinho a R$ 20 o quilo como os mais nobres como o salmão (R$ 52,90) e o bacalhau que sai a R$ 65 o quilo.

Beto Silva