Varejo piracicabano deve contratar 600 temporários

varejo Concentração de vagas fica para vestuário e calçados. ( Foto: Amanda Vieira/JP)

O comércio piracicabano deve iniciar a contratação de trabalhadores temporários para atender à movimentação de compras decorrente das festas de fim de ano, que tem início nos meses de outubro e novembro, período em que se registra a maior geração de vagas formais no varejo paulista. De acordo com o Sincomércio Piracicaba, neste ano, devem ser contratados cerca de 600 funcionários temporários, número próximo ao que foi registrado em 2016. No ano passado, a expectativa foi de até 800 vagas.

De acordo com presidente do Sincomércio, Itacir Nozella, a economia não cresceu como o esperado e as incertezas da época eleitoral reduziram o número de vagas temporárias em comparação com 2017. “O cenário atual mostra uma desaceleração no ritmo de recuperação da economia brasileira, uma reação tímida do emprego, incertezas no âmbito eleitoral e o consumo ainda com pouco fôlego. Assim, o empresário do comércio adota uma postura mais cautelosa em relação às decisões de investimento, inclusive em mão de obra”, ressalta.

No Estado de São Paulo, o comércio varejista deve contratar 23 mil trabalhadores temporários para o fim do ano, leve redução de 3% em relação aos 23,7 mil admitidos em 2017. A estimativa é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Metade das vagas devem ser abertas pelo varejo de vestuário, tecidos e calçados. Os supermercados concentrarão cerca de 25% das vagas e o restante será dividido, principalmente, entre os segmentos de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos, lojas de móveis e decoração, farmácias e perfumarias.

BRASIL – Dados da Asserttem (Associação Brasileira do Trabalho Temporário) informam que estimativa da entidade é que 434.429 novos postos de trabalho temporário sejam ofertados entre setembro e dezembro de 2018, ante 394.935 empregos originados no mesmo período de 2017. O Natal é a principal data para o comércio, seguida do Dia das Mães e Páscoa. O pico de contratações no comércio, de acordo com a Associação, acontece em novembro.

De acordo com a Asserttem e a Caixa Econômica Federal este ano deve ocorrer um crescimento de 10% se comparado ao último quadrimestre de 2017. A projeção de alta é influenciada, principalmente, pelas contratações na indústria em especial as do segmento farmacêutico, alimentar, químico e agroindustrial. O aumento da demanda de produção na indústria e de vendas no comércio com a proximidade das compras sazonais de Dia das Crianças, Natal e Ano Novo já movimenta o mercado de contratação temporária em todo o país.

(Da Redação)