Venda de pescados deve crescer 4% até a Semana Santa, informa Apas

Com a proximidade da Sexta-feira Santa (dia 30 de março), a venda de pescados tende a crescer. De acordo com levantamento da Apas (Associação Paulista de Supermercados), neste período é esperado um crescimento de até 4% nas vendas de peixes no estado de São Paulo. Apesar da expectativa positiva, em Piracicaba, espera-se manter as vendas do ano passado, apontam proprietários de boxes no Mercadão Municipal e a prefeitura. Na próxima semana a prefeitura realizará a 21ª edição do Varejão Especial de Pescados.
 
Rodrigo Narciso, de 38 anos, é vendedor de peixes há oito anos no Mercadão de Piracicaba e está apreensivo. “Estamos chegando próximo do final da Quaresma e o movimento ainda não melhorou. O bacalhau, que é o carro-chefe, não tem vendido muito, porém, acredito que na próxima semana as vendas melhorem às vésperas da Sexta-Feira Santa, com as compras de última hora”, disse o comerciante.
 
Segundo Narciso, outro fator são os preços dos peixes, que valorizaram nos últimos meses. “O preço do quilo subiu para uns e caiu para outros tipos de peixes, mas nessa época do ano, além do bacalhau, a procura cresce por filé de merluza, cação e sardinha, para peixes de água salgada, e também para peixes como piapara, curimba, pintado e tilápia, de água doce”, informou.
 
A partir da próxima semana, a Sema (Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento) realiza a 21ª edição da Semana dos Pescados, no Varejão Central (ao lado do TCI – Terminal Central de Integração). Na quarta-feira (28) e quinta-feira (29), o atendimento será das 15h às 19h e, na sexta (30) e sábado (31), das 6h às 12h. “A expectativa neste ano é comercializar oito toneladas de pescados, mesma quantia vendida em 2017, pelos comerciantes e permissionários cadastrados pela prefeitura. Além disso, esperamos que até 20 mil pessoas visitem o varejão nestes quatro dias”, informou o diretor do Departamento de Abastecimento da Sema, Nilton Rubens Barbosa.
 
Serão comercializados peixes de água salgada e doce, congelados, frescos, de salga, onde os preços poderão sofrer variações por produtos e alterações sem aviso prévio, informou Nilton. “Até o momento os preços se encontram nos mesmos patamares de 2017. Com aproximação da Semana Santa e o aumento na demanda por pescados os preços podem sofrer valorização”, alertou o diretor.
 
O varejão especial contará também com produtos hortifrutigranjeiros, frios e laticínios, cereais, ovos, temperos, condimentos e uma banca de pastel, nos dias 29 e 30. Nos dias 28 e 31, o varejão contará com bancas de hortifrugranjeiros.
 
 
PREÇOS – Os itens utilizados para o preparo da bacalhoada na Páscoa estão mais caros neste ano, segundo levantamento da FecomercioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo), com base no IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de fevereiro. No acumulado dos últimos 12 meses, o tomate e a cebola subiram, respectivamente, 48,26% e 27,18%. A batata-inglesa subiu18,20%, o brócolis 1,48% e os pescados 2,52%.Os preços médios do chocolate em barra e do bombom caíram 10,62% em relação ao ano passado