Vidas inspiradoras (2)

 

Existem indivíduos cuja vida se notabiliza de tal forma que se tornam fonte de interesse de muitas pessoas e grupos, passando à posteridade como referência nas áreas em que atuam. Seja por notáveis qualidades morais, pela capacidade de liderança, pelas mais diversas realizações, pela sabedoria e bondade que pautam sua passagem pelo mundo, tornam-se admirados e respeitados, convertendo-se, mesmo quando não o desejam, em fonte de inspiração a quem lhes conhece a vida e a obra.

Determinadas pessoas, por sua vida, exemplos e realizações, tornam-se fonte de inspiração para muitos que reconhecem seu valor, o que não justifica – embora infelizmente tenda a ocorrer – o desvio para a idolatria, nem a conversão de tais seres em figuras míticas, retirando-lhes a condição essencialmente humana. O fato de terem realizado tudo quanto fizeram mais as valoriza, ao haverem superado limites, obstáculos e dificuldades a fim de oferecerem algo significativo e proveitoso aos demais.

Se por um lado não se deve idolatrar ninguém, sob pena de se criarem dependências, fantasias e fanatismo – sempre perigosos e potencialmente escravizantes – por outro lado não se pode ignorar aqueles que têm sido figuras notáveis na história da humanidade.

Seja em que área for – ciência, filosofia, religião, arte –, sempre houve aqueles que demonstraram características e atributos extraordinários, os quais os tornaram figuras ímpares na sociedade, contribuindo de modo especial para o aperfeiçoamento da humanidade.

O conhecimento de tais pessoas, bem como dos seus feitos e realizações, tem um efeito motivador e catalisador sobre quem passa a conhecê-los, pois se percebe quão longe se pode chegar no desenvolvimento das potencialidades humanas, desde que a vida seja considerada no seu aspecto evolutivo.

Um único ser cuja vida tenha sido pautada pela santidade, pela sabedoria ou pela genialidade deveria bastar para demonstrar o quanto se pode superar os próprios limites e expressar o que há de melhor na natureza humana, ainda que essa capacidade esteja latente na maioria de nós. É como se esses seres, pioneiros, sinalizassem aos demais sobre as possibilidades que os aguardam, perspectiva que se mostra educativa e incentivadora por si só.

Inúmeros indivíduos que realizaram o que se considera prodigioso para um ser humano, muitas vezes após haverem superado condições as mais adversas, afirmaram que os demais também poderiam alcançá-lo, desde que se empenhassem no caminho do autoaprimoramento e tivessem paciência e perseverança nos ideais abraçados.

Quando Jesus – ser extraordinário sob qualquer ponto de vista – afirmou:“Vós sois o sal da terra”; “Vós sois a luz do mundo”; “brilhe a vossa luz diante dos homens”; “quem crê em mim fará as obras que eu faço, e fará obras maiores que estas…” revelou uma perspectiva altamente otimista em relação ao ser humano, ampliando imensamente nossas possibilidades de realização existencial. Obviamente tal perspectiva precisa ser contextualizada, pois uma breve reflexão sobre nossa realidade atual revela o quanto ainda precisamos avançar na manifestação de nossas potencialidades divinas.                Inúmeros outros seres, assim como Jesus, merecem ser mais profundamente conhecidos, pois têm dado ao mundo contribuições significativas, podendo inspirar direta ou indiretamente aqueles que possam entrar em contato com sua vida e obra.