Votação do projeto da cessão onerosa deve ser semana que vem, diz Jucá

Votação do projeto da cessão onerosa deve ser semana que vem, diz Jucá
Fonte: Agência Brasil

A votação do projeto de lei (PLC 78/18) que autoriza a Petrobras a transferir a petroleiras privadas até 70% de seus direitos de exploração de petróleo na área do pré-sal, a cessão onerosa, só deve ocorrer a partir da próxima terça-feira (4). A expectativa do líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR), foi anunciada nesta quinta-feira (29) por meio do Twitter. “Até lá, continuamos construindo uma solução técnica para o repasse dos recursos aos Estados e municípios”, escreveu na rede social.

A matéria esteve na pauta do Senado essa semana, mas não foi apreciada por falta de consenso em torno da partilha de royalties da cessão onerosa do pré-sal com estados e municípios. Ontem (28), o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), disse que não colocaria a matéria em votação porque não houve entendimento entre os membros da equipe econômica do governo atual e o do presidente eleito, Jair Bolsonaro.

“Como foi delegado a mim, pelos líderes partidários, hoje [ontem (28)] entrei em uma reunião com o governo atual e membros do governo futuro para discutirmos essa matéria. Até agora não se fez o entendimento porque parte da equipe econômica do governo acha que isso atinge a questão do teto [de gastos]”, disse Eunício.

Impasse    

Atualmente, o projeto de lei tramita em regime de urgência, aguardando a manifestação das comissões de Constituição e Justiça (CCJ), Assuntos Econômicos (CAE) e de Serviços de Infraestrutura (CI). Sob o argumento de desafogar o caixa de estados em dificuldade financeira, governadores eleitos reivindicaram, na semana passada, em Brasília, que os recursos sejam divididos entre os governos estaduais e os municípios.

Para o atual governo, a votação da proposta do Senado da forma como foi aprovada na Câmara é o caminho mais curto. Após dias de discussões, para incluir no texto a divisão do bolo com estados e municípios, o governo estuda a edição de uma medida provisória (MP) que pode garantir a eles a transferência de até 30% dos recursos do Fundo Social.

Também nesta quarta-feira, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse que a edição de uma medida provisória para garantir a distribuição de recursos da cessão onerosa com estados e municípios esbarra em um problema encontrado pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN), que seria o impedimento constitucional de se emitir uma MP sobre esse tema. Segundo ele, está “muito difícil” chegar a uma solução que atenda ao governo federal, à equipe econômica do presidente eleito Jair Bolsonaro e à necessidade de desafogamento financeiro dos outros entes federados.

Cessão onerosa

O Projeto de Lei Complementar 78/2018 autoriza a União a repassar à Petrobras sem licitação uma área do pré-sal na Bacia de Santos. Essa regra vale até que a estatal extraia 5 bilhões de barris. De acordo com o projeto, o petróleo que exceder esse volume deve ser licitado pelo regime de partilha. Estimativas indicam um excedente de 6 bilhões a 15 bilhões de barris.

Entre os principais pontos de discordância está o dispositivo que prevê que tanto a Petrobras quanto as empresas privadas podem pagar à União royalties menores que o padrão  – 10%, em vez de 15%. Governadores e prefeitos tem defendido que esses recursos não fiquem apenas com a União e sejam divididos entre estados e municípios.

Estabelecida em 2010, a cessão onerosa é um contrato em que a União concedeu à Petrobras o direito de explorar e produzir 5 bilhões de barris de petróleo e gás natural, em seis blocos do pré-sal da Bacia de Santos. Segundo a petrolífera, a produção é de, em média, 25 mil barris de petróleo por dia. Dos dez poços com maior produção no Brasil, nove estão localizados nessa área.

Votação do projeto da cessão onerosa deve ser semana que vem, diz Jucá