Voto, razão e responsabilidade

Nos últimos dois dias para conquistar eleitores, as pesquisas indicam pouca mudança no cenário das eleições majoritárias, com Jair Bolsonaro (PSL) na liderança seguido do petista Fernando Haddad – que sob a bênção de Lula e o medo dos anti-Bolsonaro – vem crescendo mesmo que timidamente para assumir a dianteira na corrida presidencial. Na pesquisa Datafolha, divulgada ontem à noite, Bolsonaro chegou 39%, enquanto o petista Haddad teve 25% dos votos válidos. Na rabeira veem Ciro (13%), Alckmin (9%) e Marina Silva (4%), esta última que não conseguiu alavancar sua campanha ao longo de todo o período eleitoral. Assim como Marina, também foram insipientes os resultados do atual governador Geraldo Alckmin e de Ciro Gomes, que chegaram a alternar a terceira posição em apenas um momento.

Se o cenário prosseguir até domingo, o que parece ser certo é um segundo turno conturbado com PT e PSL buscando o apoio de quem não conseguiu se manter no páreo. Porém, ambos os lados têm questões profundas a serem discutidas com os potenciais apoiadores, que vão desde a forma de enxergar o futuro da democracia brasileira – já tão arranhada pela avalanche de casos de corrupção, um Estado arcaico, caro e ineficiente e a falta de soluções factíveis para administração pública em seus diversos níveis – até as possíveis participações um futuro governo federal, ou seja, a distribuição de cargos, ministérios e empresas públicas.

O segundo turno será uma nova eleição, como todos sabemos, mas – acima de tudo – deverá ser um momento de escolher um lado, independente dos valores que cada candidato defende. E nem sempre é fácil escolher, ainda mais quando o país parece estar dividido ao meio numa espécie de guerra civil de discursos, com frase e slogans de ódio ou escárnio para todos os lados. Sei que não se deve dar conselhos, mas se pudesse dizer algo para meu filho sobre o cenário eleitoral, diria: Vote com razão e responsabilidade, sem achar que é o fim do mundo. Eleições são como futebol, sempre existirá uma nova edição do campeonato para você se aprimorar e tentar a taça, por isso sobreviva com equilíbrio e saúde.

O segundo turno será uma nova eleição, como todos sabemos, mas – acima de tudo – deverá ser um momento de escolher um lado.

(Alessandra Morgado)