Wick Manfrinato é candidato a deputado federal pelo PV

federal Manfrinato focará em ações globais com reflexos locais. (Foto: Amanda Vieira / JP)

O engenheiro agrônomo e pesquisador da USP (Universidade de São Paulo), Wick Manfrinato, é um dos dez candidatos a deputado federal por Piracicaba nas eleições de outubro pelo PV (Partido Verde). Aos 58 anos, o piracicabano também atua como consultor em sustentabilidade e trabalhou em organizações mundiais como a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) e Conselho da Terra. Ele se define como ambientalista, mas avisa não ser um ‘eco-chato’ ou ruralista. Em suas propostas, as ações vão desde ampliação de áreas de lazer e parques urbanos, combate à poluição sonora até o fortalecimento da capoeira e outros esportes “ como forma de elevar o espírito solidário e coletivo na sociedade”.

Wick entra na disputa política pela primeira vez e disse que decidiu após convites e sugestões de amigos. “De forma organizada amigos me convenceram a me candidatar, depois de certa insistência achei que não podia dizer não e passei a ampliar a consulta sobre essa possibilidade”, contou, acrescentando que conversou a respeito com colegas professores universitários, colegas de faculdade e confessou ficar assustado com receptividade do seu nome para um cargo no Legislativo Federal.

Definida a candidatura, Wick disse que iniciou um trabalho de pesquisas dos partidos políticos com os quais se identificava. A afinidade com o PV e com o presidente nacional da sigla, José Luiz Penna, foram determinantes para sua filiação ao partido. Apesar de sua formação e atuação, Wick reforça que pretende atuar, como deputado federal, nas diferentes áreas da sociedade. “Vou propor ações voltadas ao desenvolvimento global com ações locais”, explicou.o candidato. Disse que sua contribuição como legislador será buscar políticas públicas que permitam a interligação com as mudanças que precisam ser feitas.

Nesse sentido, ele destaca a necessidade de políticas voltadas para necessidades locais. Segundo Wick, o Ceasa de Piracicaba comercializa 5% do que é produzido no município, o que reflete a falta de incentivos aos produtores locais. O ambientalista disse que durante a realização do Fórum Gestão e Planejamento Territorial Sustentável, realizado na Câmara de Vereadores, se dedicou ao planejamento do desenvolvido rural para trazer ao Plano Diretor as lacunas que a prefeitura deixou a desejar. “ A Secretaria de Agricultura do município se dedicou à logística e comercialização dando prioridade à agricultura de commodities”, observou.

(Beto Silva)

O Jornal de Piracicaba está publicando matérias com todos os candidatos a deputado estadual e federal, cujo domicílio eleitoral seja a cidade de Piracicaba. Isso para obedecer ao Princípio da Isonomia e não privilegiar a exposição de um candidato em detrimento a outro.