Witzel compara problemas de segurança do Rio aos do Estado de Israel

Witzel compara problemas de segurança do Rio aos do Estado de Israel
Fonte: Agência Brasil

O governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, comparou, nesta segunda-feira (10). os problemas de segurança pública de seu estado aos de Israel, onde está desde o dia 4 para debater um acordo de cooperação técnica no setor com o país. Witzel foi também conhecer tecnologias de combate ao crime organizado e ao tráfico de drogas, como drones capazes de atirar durante voos.

O governador eleito Wilson Witzel , participa da formatura e diplomação de militares na Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, na Vila Militar em Deodoro.

O governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel – Fernando Frazão/Arquivo/Agência Brasil

Em entrevista coletiva, na frente do Knesset, o Parlamento israelense, em Jerusalém, Witzel disse que os problemas que existem em Israel são muito parecidos com os que tem hoje o estado do Rio.

“Temos grupos armados similares a grupos terroristas. Organizações criminosas que estão cooptando áreas do nosso território e que as utilizam para o comércio de drogas e fazem com que as pessoas que lá vivem sejam submetidas a todo tipo de violência”, afirmou.

Perguntado sobre a relação entre as táticas aplicadas no combate a ações terroristas em Israel e seu possível uso no Rio, Witzel ressaltou que não as considera apenas válidas em guerras, mas em um cenário como o combate ao narcotráfico. “Você tem várias populações de origens diversas que estão em áreas de conflito. Não é uma técnica de guerra que se usa para combater o terrorismo. São usadas técnicas mais aprimoradas para evitar que as pessoas que estejam ao redor sofram.”
O governador eleito afirmou não temer críticas por importar estratégias que Israel usa em seu combate a organizações terroristas.
 

“Não estou comparando traficante com palestino (que cometa ações terroristas). Meu objetivo é utilizar técnicas efetivas no combate ao terrorismo e que possam ser usadas contra traficantes. Não podemos permitir que eles continuem andando no Rio de Janeiro de fuzil e aterrorizando a população”, declarou.

Witzel antecipou que pretende voltar a Israel no próximo mês para ratificar os acordos sobre segurança que costura com autoridades do país. Hoje, ele está retornado ao Brasil.

“Este foi um momento de conversas, mas, em janeiro, já empossado, pretendo voltar a Israel e assinar os convênios que nós faremos com o Ministério da Defesa para treinamento dos policiais, troca de informações”, disse. 

Encontro com ministro da Defesa

Witzel, conversou, neste domingo (9), com o ministro da Defesa Interna de Israel, Gilad Erdan, sobre um possível acordo de cooperação técnica na área de segurança. Witzel quer que sejam treinados em Israel policiais que atuam no Rio no combate ao crime organizado.

“Há semelhanças entre o modo de atuação das facções criminosas do Rio com o de alguns dos grupos terroristas daqui. O objetivo foi conhecer tecnologias de segurança focadas em estratégias para combater e prevenir a atuação do crime organizado”, explicou o governador eleito.

O ministro Gilad Erdan acenou com a possibilidade de o Rio de Janeiro contar com a atuação de um adido militar que, a partir do ano que vem, se dividiria entre Rio e São Paulo. Ele se propôs a receber uma delegação de policiais fluminenses, que poderão receber treinamento semelhante ao da polícia de fronteira de Israel – as unidades que combatem grupos terroristas.

“A luta contra o terrorismo é a mesma contra o crime organizado”, afirmou. Erdan solicitou que as forças policiais do Rio identifiquem exatamente suas necessidades para que o acordo a ser desenhado seja eficaz. “Vamos pensar em uma colaboração técnica, militar e policial”, resumiu.

O embaixador brasileiro em Israel, Paulo César Vasconcellos, participou da reunião.  Após o encontro, o ministro Erdan afirmou, em suas redes sociais, que, “com a eleição do presidente Jair Bolsonaro e de Witzel, Brasil e Israel estão prontos para estreitar a cooperação em várias áreas”.

*Com informações da Agência EFE

Witzel compara problemas de segurança do Rio aos do Estado de Israel