Testes rápidos estão sendo realizados na Penitenciária pelo Butantan

Caso identificado a doença, preso é isolado (Divulgação/SAP)

Termina na próxima terça-feira (1), os testes rápidos da covid-19 que estão sendo realizados pelo Instituto Butantan, na Penitenciária Masculina de Piracicaba. A iniciativa começou no último dia 20.

Segundo a SAP (Secretaria da Administração Penitenciaria), as testagens serão feitas nos 1.457 presos e 185 servidores, totalizando 1.642 pessoas testadas. Até sexta-feira (28) foram realizados 1.521 testes. Já em relação aos presos, a unidade prisional está fazendo o levantamento para posteriormente informá-los, adotando as providências necessárias. É importante salientar que o Teste Rápido identifica a presença de anticorpos no organismo testado.
O diretor da Penitenciária, Élcio José Bons áglia, as ações são necessárias para que seja possível enfrentar esse momento com cautela e prevenir os servidores e os que se encontram em cumprimento de pena. “A saúde e integridade das pessoas não se negocia. Devemos adotar todas as providências que estão ao nosso alcance nesse momento para vencer dia a dia essa batalha e sairmos vitoriosos”, enfatizou Bonságlia.
Ele ainda acrescenta que a coleta e realização dos exames não os impede de dar continuidade a todas as atividades, providências e protocolos adotados desde o início da pandemia, já continuamente aplicadas, como higienização de objetos, locais e pertences, utilização de álcool em gel, higienização constante das mãos água e sabão, fornecimento de equipamentos individuais a todo corpo funcional e máscaras, produtos de higiene pessoal e limpeza para os presos. “Porém acima de tudo, nada disso seria possível se não contássemos com toda dedicação de nosso corpo funcional, profissionais da saúde que atuam nesta Penitenciaria de Piracicaba, assim como demais áreas que, de forma ininterrupta, se doaram para que vençamos essa guerra. Agradeço ao nosso coordenador Dr. Jean Ulisses Carlucci, ao Alexandre Lazinho, diretor Técnico de Saúde II da CRC , pelo suporte, ao Instituto Butantan e a nossa Secretaria pelo apoio e orientações”, encerra Bonságlia.

Quando são identificados casos da doença, o sentenciado é isolado, os servidores que precisam ter contatos usam máscaras e luvas descartáveis. Se for necessária a internação o sentenciado será encaminhado ao hospital da região.
Já o servidor com suspeita de diagnóstico da covid-19 é devidamente afastado sob medidas deisolamento em sua residência, conforme orientações do Comitê de Contingência do coronavírus e a
Secretaria acompanha seu quadro clínico, fornecendo todo o suporte necessário para sua recuperação.

Cristiani Azanha

[email protected]

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

11 + 8 =