1º dia de greve tem adesão parcial dos professores

(Foto: Amanda Vieira/JP)

Levantamento feito pela Apeoesp (Sindicato dos Professores da Rede Oficial de Ensino do Estado de São Paulo) ontem, no primeiro dia de aula presencial na rede estadual, apontou adesão parcial de professores à ‘greve sanitária’ contra a volta às aulas presenciais, estabelecida pelo Governo do Estado, em função da pandemia do coronavírus. Segundo o sindicato, na escola estadual Barão do Rio Branco a adesão foi 100% ao movimento, enquanto que outras, aderiram de forma parcial, como na escola Moraes Barros, onde 19% dos professores compareceram à escola, mas a frequência presencial de alunos ficou abaixo dos 35% estabelecido como meta pelo governo estadual.

O levantamento foi realizado junto a 61 das 68 escolas da rede estadual de ensino em Piracicaba e região, que responderam à Apeoesp, revela que em 55 delas foram mantidas aulas online e realizadas presenciais também, mas com a presença de apenas parte dos professores. O mapeamento mostra ainda que a participação de alunos não atingiu a 35% do estabelecido pelo governo em nenhum estabelecimento de ensino. Na Dario Brasil, localizada na região da Pauliceia, por exemplo, dos 600 alunos, 34 compareceram, enquanto que na escola Professor Hélio Penteado de Castro, no Parque Piracicaba, dos 1.137 alunos, 140 foram à aula presencial.

A maior presença foi computada na escola Abigail de Azevedo Grillo, na Vila Rezende, com 33% dos alunos, enquanto que nas demais ocorreu uma grande variação, com a maioria registrando baixa participação, mostrando insegurança e temor por parte da população.

A presidente da Apeoesp, a deputada estadual Professora Bebel (PT), disse que a paralisação está dentro do previsto e que não basta apenas os EPI´s (equipamentos de proteção individual) para a volta às aulas, uma vez que parte dos professores não tem veículo próprio e irá utilizar o transporte coletivo.

A Secretaria de Estado da Educação informou que não possuía adesão à greve pelos professores. Informa também que o retorno presencial, entretanto, é gradual e está condicionado à autorização das prefeituras. Mesmo nos municípios autorizados, a presença dos alunos nas escolas não é obrigatória nas regiões que estejam na fase vermelha, laranja ou amarela.

A Apeoesp informou que amanhã haverá assembleia popular virtual com a participação de professores, pais e alunos para discutir a paralisação dos profissionais.

Beto Silva
[email protected]

LEIA MAIS:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

5 + sete =