Onze meses após a mortandade de seis toneladas de peixes registrada no Rio Piracicaba, no trecho conhecido como Canal Torto, o Instituto Beira Rio registrou ontem a mortandade de quatro toneladas de várias espécies, entre elas algumas quase em extinção no rio. O presidente da entidade, Luís Fernando Magossi, o Gordo do Barco, lamentou o fato e questionou a coincidência. “Em 5 de outubro ocorreu a mortandade de seis toneladas e hoje, por coincidência, mais quatro toneladas no mesmo trecho”, afirmou.

O ambientalista contou que desde segunda-feira vem recebendo mensagens de pessoas denunciando a mortandade em Ártemis. “A população de Piracicaba lamenta profundamente o que ocorre com o rio”, observou. Ele disse que o auge da mortandade ocorreu na terça-feira.

Gordo e outras cinco pessoas denunciaram o desastre ambiental ao Gaema (Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente) e à Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo). Ao contrário do ano passado, o presidente do instituto disse que quando chegou ao local não sentiu cheiro de produtos químicos, porém, ele não descarta a possibilidade de despejo irregular.

Gordo disse que desde a última sexta-feira até o sábado, o nível do rio Piracicaba baixou para 11 metros cúbicos por segundo. “De 26 metros caiu para 15 metros cúbicos, isso é uma queda grande, mas não provocaria uma mortandade dessas”, observou. Entre as espécies mortas ele citou piauçu, lambari, curimbatá, mandi e piapara. Alguns peixes, segundo Gordo, pesavam até três quilos.

A Cetesb informou que durante vistorias realizadas entre ontem e hoje (3 e 4) técnicos da companhia constataram a presença de peixes mortos em três trechos do rio Piracicaba: ‘no distrito de Ártemis, a montante e a jusante do canal do Torto’.

Segundo o órgão, análises apontaram que a mortandade ocorreu pelos baixos índices de oxigênio, em decorrência das últimas chuvas após longo período de estiagem e a baixa vazão do rio. “Não foram identificados lançamentos de fontes pontuais na região”, informou em nota.

Segundo a Cetesb, foram realizadas medições de oxigênio dissolvido, nos pontos mencionados e o resultado obtido foi entre 2,0 e 4,0 mg/ litro, o ideal é maior que 5,0 mg/litro.

Beto Silva
[email protected]

4 COMENTÁRIOS

  1. Isso é algo que ja havia ocorrido anteriormente e niguem foi responsabilizado , se um pobre coitado for apanhado pescando por algum órgão ambiental o conduzem até a delegacia e só sai com advogado , mas as grandes empresas que não tratam seu efluentes continuam operando normalmente !

  2. Sempre pesquei nas regiões de Piracicaba e sempre soubemos como pescadores que o veneno jogado na Cana ou algum produto químico para controlar para pragas teste para o Rio ah se matando todos os peixes não tenho formação nem faculdade Para comprovar Condados ou pesquisas mas chegamos a essa conclusão como pescadores na região de Rio Claro na assistência isso acontecia sempre com frequência E acabamos chegando a essa conclusão.

  3. Boa noite no geral como pode época de piracema se pega nois pescando e crime.e agora que choveu e as empresas se aproveitou da situação e aproveito com a chuva jogou resto de resíduos para o rios e claro fora a falta de manutenção do bueiros’ não querem que matem o oxigênio da agua.ta de brincadeira né prefeituras.porque vocês não multas as empresas e repassam essas verbas para os prontos socorros e creches para encentivar.ou fazer o próprio patrão ir até un desses prontos socorros fazer serviços voluntários palestra.acabaria o problema de ficar acusando foi o povo ou foi fulando

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

nove + dez =