72 mil presos passaram pelo CDP de Piracicaba em 20 anos

Diretor Maurício Gonçalves acredita na transformação das pessoas (Divulgação)

O CDP (Centro de Detenção Provisória) Nelson Furlan, completou no último dia 16, 20 anos de atividades na cidade. Atualmente, a unidade conta com a população carcerária de 770 pessoas. Ao longo dos anos de exercício na unidade, aproximadamente 72 mil pessoas passaram pelo Centro.

O diretor do CDP Maurício Arantes Romero Gonçalves, que trabalha na unidade desde 2014 disse que sempre teve a preocupação com a saúde tanto dos presos como também dos servidores. A unidade já foi destaque entre os demais presídios no Estado nas ações realizadas para coibir as ações de doenças sexualmente transmissíveis, tuberculose, dengue, entre outras doenças.

Sete escola de Piracicaba já foram pintadas pelos presos da unidade (Divulgação/SAP)

“Durante a pandemia da covid-19 reforçamos as nossas ações para a prevenção do contágio, até agora não tivemos nenhum caso de óbito de preso ou servidor”, disse o diretor.

Como é uma unidade transitória, Gonçalves disse que recebe detentos de 23 municípios da região de Piracicaba. Cada preso que entra no centro passa por exames preventivos para várias doenças e também para detectar covid.

Detentos conseguem remição da pena pela leitura (Divulgação/SAP)

O CDP foi precursor nas audiências por videoconferências. Idealizada pelo  juiz titular da Vara do Júri e Execuções Criminais da Comarca de Piracicaba, Luiz Antonio Cunha, a tecnologia passou a ser utilizada em 2019. “Após a pandemia, essa iniciativa foi intensificada, e hoje, 99% das audiências continuam sendo realizadas por vídeoconferência, com exceção de algumas de júri”, disse o diretor.

OPORTUNIDADES

O diretor disse que todos os presos da unidade têm a oportunidade de estudo ou trabalho, desde que seja voluntário e cada preso deve atender alguns critérios relacionados ao cumprimentos da pena e comportamento.

Pelo menos 175 presos do CDP já pintaram e fizeram benfeitorias em sete escolas de Piracicaba, por meio, do Projeto Escola Mais Bonita. Na ocasião, cada preso participa de um curso que irá qualificá-lo para a função.

CDP conta atualmente com 770 presos (Divulgação/SAP)

Todos os anos, a unidade forma alunos dos Ensinos Médio e Fundamental, cujas aulas são ministradas no interior do presídio por professores de escolas vinculadas do município.

Os presos também podem participar do programa “Lendo a Liberdade”. Cada turma conta com 20 ressocializandos. Com livros escolhidos pela SAP (Secretaria da Administração Penitenciária), os reeducando tem três encontros com os professores dentro da unidade. O diretor explicou que depois eles precisam fazer uma resenha sobre o livro, que passará pela avaliação dos professores e depois encaminhado ao juiz que vai analisar se está apto para remição da pena.

“Acreditamos na transformação das pessoas, e por isso precisamos criar possibilidades e alternativas”, enfatizou Gonçalves. Os presos também podem participar do programa “Lendo a Liberdade”. Cada turma conta com 20 ressocializandos. Com livros escolhidos pela SAP (Secretaria da Administração Penitenciária), os reeducando tem três encontros com os professores dentro da unidade. O diretor explicou que depois eles precisam fazer uma resenha sobre o livro, que passará pela avaliação dos professores e depois encaminhado ao juiz que vai analisar se está apto para remição da pena.

“Acreditamos na transformação das pessoas, e por isso precisamos criar possibilidades e alternativas”, enfatizou Gonçalves.

LEIA MAIS

Cristiani Azanha

[email protected]

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

três + vinte =