Abastecimento de água está prejudicado devido à estiagem

Rio Corumbataí é responsável por 80% do abastecimento (Foto: Amanda Vieira/JP)

A baixa vazão dos rios Piracicaba e Corumbataí causada pelo baixo índice de chuvas somada a qualidade da água dos rios, que na época da estiagem, devido à redução da vazão de água, concentram poluentes, além do aumento da temperatura e o tempo seco, que ocasionam o aumento de consumo de água nesse período, formam o tripé de problemas que o Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto) de Piracicaba tem enfrentado nas últimas semanas.

De acordo com a autarquia, diante dessa situação, a produção de água foi reduzida e o volume produzido está abaixo da demanda, causando problemas de baixa pressão e falta de água localizada em alguns bairros de Piracicaba.

O Semae informou que “!está trabalhando para aumentar a produção, priorizando os serviços de manutenção nas estações de tratamento e na distribuição de água”.

A autarquia relatou, no entanto, que a regularização completa do abastecimento de água na cidade só vai ocorrer no final da estiagem, provavelmente na primeira quinzena do mês de setembro.

Em matéria publicada nesta semana pela Jornal de Piracicaba o índice da vazão do rio Piracicaba que tem sido registrado neste mês, 20,11 metros cúbicos por segundo, pode ser o pior dos últimos cinco anos. Os números da Defesa Civil do Município apontam que a vazão média do ano passado foi de 25,66 metros cúbicos por segundo, ante 39,22 metros cúbicos por segundo em 2018, 44,09 metros cúbico por segundo em 2017 e os 55, 34 metros cúbicos por segundo registrados em 2016.

A solução a curto médio prazo para o problema de falta de água em período de estiagem como ocorre em agosto, é a construção de pequenas barragens para armazenar o recurso hídrico para minimizar o impacto ambiental e manter uma reserva para a falta em determinadas regiões, conforme apontou o coordenador de projetos do Consórcio PCJ, (Bacias dos rios Piracicaba-Capivari-Jundiaí), José Cézar Saad.

Beto Silva