Acusado de estupro é preso em Piracicaba pela Polícia Civil de Capivari

Cristiani Azanha

A Polícia Civil de Capivari prendeu um motorista de 51 anos, acusado de estupro de vulnerável. Ele foi preso na tarde desta quinta-feira (14), próximo ao Ceasa, em Piracicaba. Ele teria molestado uma criança de 11 anos, segundo a investigação. A ação fez parte da Operação “Araceli” desencadeada contra crimes sexuais.

Após a apuração dos policiais do SIG (Setor de Investigações Gerais) e DDM (Delegacia de Defesa da Mulher) de Capivari, os policiais conseguiram identificar o motorista que teria molestado uma criança, em Sumaré. A coordenação da investigação foi realizada pela delegada Maria Luisa Dalla Bernardina Rigollin, que conseguiu o mandado de prisão temporária expedido pela Justiça no por 30 dias.

O investigado tinha antecedentes por homicídio. A polícia vai apurar se o acusado teria participado de outros crimes na região.

A delegacia destacou os telefones para denúncias, que são os números 183, ou ainda (19) 3491-4181 e 3491-1422, além do e-mail [email protected], [email protected] il.sp. gov.br.

OPERAÇÃO

O nome da operação faz referência a vítima Araceli Cabera Sanchez Crespode, que foi torturada, molestada e assassinada em 18 de Maio de 1973, no Espírito Santo. Os assassinos não foram presos.

O corpo da vítima foi localizado seis dias após o crime, desfigurado por ácido. Dois jovens de famílias influentes foram julgados e condenados. Mas ambos foram absolvidos após a realização de um novo julgamento. O caso de Araceli foi lembrado pelo Congresso nacional, que instituiu em 2000, o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes na data da morte de Araceli.

POLÍCIA CIVIL

Dia 25 de janeiro de 2019, a mesma equipe de Capivari prendeu um aposentado de 74 anos em Capivari. Ele é investigado por estupro de vulnerável e pornografia infantil. Segundo a Polícia Civil, ele molestava sexualmente meninos na faixa etária de 14 anos e atraía-os até a sua residência, onde dava dinheiro, celular, tablet e até uma mobilete.

As vítimas têm 15, 14, 12 e o mais jovem com apenas seis anos de idade. A apuração constatou que ele é suspeito de outras ações em várias cidades do Estado.