Aeronaves apreendidas do tráfico são usadas pela primeira vez no transporte de órgãos

Foto: Polícia Civil

A Polícia Civil, por meio do Serviço Aerotático (SAT) do Dope (Departamento de Operações Policiais Estratégicas), se mobilizou em mais um voo pela vida e disponibilizou duas aeronaves apreendidas com o tráfico de drogas para realizarem o seu primeiro transporte de órgãos destinados a transplantes. A ação ocorreu nesta segunda-feira (23) e resultou na condução de um coração e dois pulmões de Araçatuba até a cidade de São Paulo.

Os órgãos eram de um homem, de 30 anos, de Birigui, que teve morte encefálica após um acidente de trabalho e se encontrava internado na Santa Casa de Araçatuba.

O coração foi transportado por um helicóptero, modelo EC 130B4, que foi apreendido em setembro de 2019 durante a prisão de André do Rap, o qual era um traficante internacional e um dos principais líderes do comércio de drogas no Brasil. Na ocasião, ele foi detido em uma mansão em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro.

Para o transporte dos pulmões, por sua vez, foi utilizado um avião, modelo Caravan 208B, apreendido no ano de 2018 pela Dise (Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes) de Americana.

“Estou na polícia há 32 anos e, para mim, é muito gratificante ver algo que era usado no crime para servir à sociedade, para o bem do ser humano”, disse o delegado titular do SAT, João Eduardo Felipe, que autuou diretamente nesta ação, especificamente dentro do helicóptero. “As pessoas só veem a polícia pelo lado de prender criminosos, mas o lado humanitário também precisa ser destacado”, completou.

A necessidade de um transporte rápido dos dois órgãos se deu porque os pulmões necessitam ser transplantados entre 4 e 6 horas após serem retirados, enquanto o coração precisa ser transferido em no máximo 4 horas.

A ação também envolveu equipes do Hospital Albert Einstein e do Incor (Instituto do Coração).

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

19 + dezoito =