Alguns comerciantes ignoraram a determinação e abriram as lojas

Policiamento inibiu a movimentação de pessoas (Foto: Claudinho Coradini/JP)

Com o aumento dos casos positivados de covid-19 em Piracicaba nos últimos dias e o consequente regresso do município à fase 1 (vermelha), a recomendação era de que comércio de rua, shoppings center, imobiliárias e concessionárias, exceto serviços considerados essenciais, iniciassem a semana fechados, ao menos até 14 de julho. Não foi o que aconteceu, ao menos no Centro, entre os principais corredores comerciais da cidade. A reportagem do Jornal de Piracicaba presenciou estabelecimentos que desrespeitaram a lei e enorme fluxo de pessoas e automóveis pelo entorno.

O JP flagrou irregularmente abertas lojas de games, concessionárias, lojas de presentes, vestuário e de utensílios domésticos. Em pouco mais de uma hora no Centro, por volta das 13h, notou-se também ao menos 20 pessoas que utilizavam incorretamente a máscara, de modo que boca e nariz fica exposto.

Apesar de campanhas de prevenção ao novo coronavírus, ainda foi verificado que pessoas, inclusive idosos e crianças, circulavam no começo da tarde de ontem sem o uso de máscaras. Outro flagra da reportagem diz respeito ao fluxo de pessoas entrando em lojas que deveriam estar fechadas e a grande quantidade carros, tanto estacionados quanto em movimento pelas ruas do Centro.

Pela manhã, a Guarda Civil e fiscais do Procon Piracicaba voltaram às ruas para fiscalização em estabelecimentos comerciais que não se enquadram em serviços essenciais. No entanto, foi apena uma ação de orientação, e segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura, não houve multas.

O procurador-geral do município, Milton Sérgio Bissoli, garantiu que as fiscalizações do Procon e da Vigilância Sanitária, com o apoio da Guarda Civil e da Polícia Militar, serão ampliadas. Ele concorda com a situação em Piracicaba é crítica.

“É importante que as pessoas respeitem as regras impostas pelas autoridades sanitárias, como o uso de álcool em gel e de máscaras de proteção facial. Se cada um fizer sua parte, em 14 de julho poderemos voltar a flexibilizar as atividades que estavam liberadas”, disse.

Erick Tedesco