Amor e admiração permeiam a história de três gerações

Foto: Alessandro Maschio/JP

Nas particularidades das suas gerações, eles demonstram em gestos, palavras e atitudes, a importância da figura do pai como referência

“Desde criança ele sempre fez tudo do jeito dele”. “O meu pai me ensinou: trabalhe, trabalhe, trabalhe muito! Seja prudente e sempre acredite em Deus!”. “Quando eu crescer, vou ser advogado”. Três frases até contraditórias entre si mas que contam a história de três gerações da família Erler. A primeira é de Antônio Moacir, pai de Matheus e avô do elétrico Matheusinho que, com quatro anos, já diz que quer ser advogado, como o pai e trabalhar muito para realizar seus sonhos.

As frases trazem como cada um vê esta relação entre pai, filho e avô, como o exemplo de cada um interfere na formação do perfil e do caráter de cada um e, principalmente, como o amor em forma de admiração é o fio condutor desta que é um entre diferentes perfis da família piracicabana.

Antônio Moacir Erler é metalúrgico aposentado que saiu do campo e quando veio à cidade trabalhou numa sacaria da antiga Agroceres. Reconhece no valor da esposa, Joana Cano Erler, todo o projeto bem-sucedido que foi a educação do hiperativo Matheus Erler, advogado licenciado que atua no campo da assessoria previdenciária. Mesmo envolvido com o trabalho, o pai Antônio observou o quanto o garoto era exigente consigo mesmo, perfeccionista e crítico. “Se pegasse um carro para lavar, demorava seis horas, mas fazia um serviço impecável”, contao, hoje, avôque não esconde a admiração pelo quanto o filho se esforça para levar ao neto uma educação permeada muito carinho.

Depois de passar por escolas públicas, Matheus teve o primeiro emprego como entregador de uma farmácia. Com o dinheiro, conseguiu pagar um cursinho para buscar o sonho de entrar numa faculdade de medicina. “Eu ajudava quando preciso, mas ele corria atrás das coisas dele sem dar trabalho”, conta seu Antônio que já buscava ensinar o quanto era importante se pensar no bem pessoas ao integrar seus quatro filhos com respeito e harmonia entre si.

Foi na farmácia que as primeiras lições sobre cuidar de pessoas foram aprendidas por Matheus. O pai lembra-se que o dono chegava a reclamar de que tinha que consertar a bicicleta várias vezes “de tanto que ele corria para lá a e pra cá”. Matheus lembra que ali recebia centenas de pessoas doentes, um momento de sofrimento e muitas vezes dor. “Tínhamos que ajudar as vezes não só com remédios, mas ouvindo e as vezes aconselhando. Algo que também meu pai me ensinou”, conta.

A interferência de seu Antônio na educação de Matheus fez com que, depois de quatro anos, o aspirante a estudante de Medicina assumisse o Direito como paixão. “Então recebi um convite especialque mudou a minha vida, de uma amiga, Taina Ribeiro Guarnieri, a assistir uma aula do curso de Direito que ela ministraria na Unimep”, decidindo então pela profissão e a decisão de atuar pelo bem-estar e futuro das pessoas.

Matheusinho entra nesta história para realizar o senhor de Mahteus em ser pai e retribuir toda a compreensão e amor que recebeu dos pais. Em 2016 quando a esposa Jéssica ficou grávida passou pela surpresa e susto de receber a notícia. “Era a realização do meu mais desejado sonho. Foi uma mudança de vida de 180 graus. Uma mudança absoluta e total”, relembra Matheus.

O medo no período gestacional e no parto sempre cercaram Matheus que contou com o amparo dos médicos numa gestação e um parto abençoados. “Inseguranças? Ainda possuo muitas. Doamanhã para o meu filho. Que mundo estamos construindo para ele e as outras crianças viverem? O que estamos plantando na cabecinha deles para que eles sejam adultos saudáveis, responsáveis e cidadãos de bem?”, projeta.

Em 2018, após oito anos de casamento, Matheus se separa e uma nova vida cheia de desafios começa, a de estar com Matheusinho todos os dias. A rotina de cuidar, estar durante ao dia e noite com o filho foi encarado como momentos únicos que Matheus vive de forma intensa. “Foram tantas noites em claro, acordar para vê-lo se não estava com febre, dor, se não estava frio demais, ou então calor demais, trocar as fraldas em infinitas madrugadas, levantar e perder o sono”, relembra Matheus.

Matheusinho, o garoto agitado como o pai, veio para mudar paradigmas na vida de Matheus que teve que reduzir a jornada de trabalho. “Quando o escritório fecha, vou para casa, almoço com ele, antes de trabalhar muitas vezes brincamos e os finais de semana são intensos”, conta. Toda esta movimentação não afastou do pai a sensação comum, geralmente às mulheres, quando é preciso dividir-se entre o trabalho e a vida com os filhos. “Uma dificuldade que até hoje enfrento.Mas preciso trabalhar, além de ser o exemplo para meu filho também”, conta ele agradecendo à Cleide, a babá que ajudou muito no processo de adaptação.

Um pai realizado, um avô realizado e um menino que nos gestos, no andar, na fala e até no sorriso reproduz o que aprende todos os dias na família Erler, que o homem pode sim se derreter de amor na paternidade, admirar e se fazer admirável, seja em qual modelo de família que estiver comemorando um Dia dos Pais.

Da Redação

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

um × cinco =