Ano passado fechou com 6 casos e 4 óbitos por febre maculosa

População deve tomar cuidado ao frequentar áreas que tenham capivaras | Foto: Claudinho Coradini/JP

No decorrer do ano passado, a cidade apresentou queda no número de casos e óbitos causados pela febre maculosa. De acordo a SMS (Secretaria Municipal de Saúde), em 2020 foram registrados seis casos e quatro óbitos da doença. Já em 2019 os números foram maiores: dez casos e cinco óbitos. Em 2018, Piracicaba registrou quatro casos e um óbito, segundo a pasta.


Para o médico infectologista da Unimed Piracicaba, Tufi Chalita, a queda nos casos de febre maculosa em 2020 pode estar relacionada à pandemia. Com a necessidade do distanciamento, as pessoas ficaram mais em casa. “Como nós restringimos mais a saída da gente de casa, mesmo para pescar, passear em beira de rio, onde normalmente vivem as capivaras que acabam derrubando essas formas [mais jovens] de carrapato e que acabam transmitindo doença – as pessoas deixaram de circular e houve menor número de casos de febre maculosa”, avalia.

LEIA MAIS:


Piracicaba é uma região endêmica para a febre maculosa por conta das capivaras que vivem nas matas ciliares – sendo esses lugares considerados de risco para contrair a doença – especialmente as margens do Rio Piracicaba, onde as pessoas que frequentam devem tomar cuidados, como não caminhar pelo gramado, apenas na calçada, e evitar se aproximar do local quando avistar capivaras.


Chalita explica que a febre maculosa necessita de tratamento urgente para que a doença não se agrave e cause falência múltipla dos órgãos do paciente. Os primeiros sintomas, segundo o médico, aparecem entre o segundo e 14º dia após a picada do carrapato estrela e são febre, dor no corpo e cabela, náusea, mal estar, perda do apetite, além de manchar com coloração “vinhosa” nas extremidades.


“Se não for tratada precocemente com antibiótico, vai evoluir para a forma mais grave dela onde pode ocasionar insuficiência hepática (fígado) e renal (rim) e isso acaba levando à morte do paciente”, explica.

Andressa Mota

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

dezenove + onze =