Artesp receberá comitiva de vereadores no dia 17 de março

Moradores dos bairros trentinos de Piracicaba são contrários a instalação de pedágio (Crédito: Claudinho Coradini/JP)

Uma comitiva de vereadores se reunirá com a Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) para discutir a instalação do pedágio na rodovia SP-308 (Hermínio Petrin). O encontro será no dia 17 de março, às 14h30, na capital paulista, no bairro Itaim Bibi. A agenda foi solicitada pelo presidente da Câmara, vereador Gilmar Rotta (MDB), para que os parlamentares possam entender quais critérios foram utilizados para definir a instalação de uma praça no quilômetro 180 da rodovia, o que prejudicaria as comunidades Santana e Santa Olímpia.

Gilmar Rotta comunicou os parlamentares nesta semana que a Artesp respondeu ao ofício que a Câmara enviou na semana passada, com a assinatura de todos os vereadores. “Recebemos, à tarde, um e-mail da assessoria parlamentar administrativa da Artesp. Gostaria que os vereadores interessados em participar da reunião comuniquem o Departamento de Relações Públicas e de Cerimonial, para que montemos a comitiva, que será exclusivamente de vereadores”, informou o presidente, ao solicitar as confirmações dos parlamentares até a sexta-feira (21).



O conteúdo do ofício que seguiu para a Artesp, em que a Câmara solicita o agendamento urgente da reunião entre os vereadores e o órgão, foi apresentado por Gilmar Rotta na quinta-feira (13), na quarta reunião ordinária de 2020. A garantia do apoio da Câmara veio depois que o morador Valdemar Correr ocupou a Tribuna Popular da Câmara, na reunião ordinária do último dia seis, para expor as preocupações das comunidades.

No ofício, a presidência da Câmara diz que o encontro será importante para que a agência compreenda as demandas da população e para que os parlamentares conheçam de forma detalhada o projeto “para que, juntos, possamos encontrar uma solução que não prejudique a população nos aspectos social, econômico e estrutural.”

Com a instalação da praça no quilômetro 180, entre os dois bairros, os moradores teriam de que pagar pedágio para o deslocamento até o Centro, caso o acesso seja feito pela rodovia pavimentada (que liga Piracicaba a Charqueada).

Segundo Gilmar Rotta, a Câmara acolheu a demanda de Santana e Santa Olímpia e defende o pedido para reavaliação da decisão. “O pedágio representará retrocesso quanto à mobilidade dos moradores, como também prejuízo ao turismo de Piracicaba e à agricultura, pois ali residem centenas de produtores artesanais de vinhos e outros produtos”, diz.

Da Redação