Artista usa a dança para buscar a ‘Grande Mãe’

Encontros virtuais acontecem durante o mês de maio (Foto: Tamyris Iankoski)

Dança Integrativa é mais do que um projeto da artista piracicabana Natália Alleoni. É a mecânica do seu trabalho, num processo sensorial e sensitivo por meio de imersões e vivências. A expressão corporal, neste mês de maio, conecta Natália e diversas mulheres, que uma vez por semana se encontram virtualmente, enquanto a quarentena é vigente, para debater o assunto.

Segundo a artista, o método busca acessar o arquétipo da Grande Mãe e, consequentemente, incorporar sua força geradora, nutrícia e agregadora, justamente em um momento tão carente dessas virtudes.




Uma mostra desta nova prática da Dança Integrativa, intitulada “Inspira: maio dedicado as mulheres”, pode ser conferido no canal da artista no YouTube, ou diretamente neste link.

“Acolhendo as necessidades pulsantes dessa quarentena e resistindo a esse período de sobrecarga física e emocional, convido as mulheres a vivenciarem encontros consigo mesmas, por meio do movimento livre, da dança intencional e da presença amorosa de outras mulheres. Quantas mulheres nos habitam? Aposto que muitas, com muito a nos ensinar”, destaca Natália sobre momentos do processo proposto.

A Dança Integrativa, ressalta Natália, é uma atividade relevante num mês que exalta a força e a energia maternal. “Gostaria de oferecer encontros para cuidar de quem tanto cuida da gente”, revela. A ideia, ao terminar a quarentena, é propor imersões, “que tem tudo a ver com a proposta”, como completa.

A artista afirma que, neste movimento, está bastante interessada no crescimento da mulher como ser humano. “O propósito é algo que traga sentidos, emoções, sem deixar de também trabalhar questões técnicas da dança”.

Natália destaca que os encontros de dança integrativa são igualmente tanto para mães, filhas, irmãs, avós, enfim, para todas as mulheres, mas que também pode ser experimentada por casais. Como ressalta, serve para todos que “sentirem o chamado para ressignificar rótulos e papéis assumidos ao longo da vida”.

Um dos objetivos desta prática psicofísica, completa Natália, é um trajeto de autoconhecimento, um processo relevante em um momento tão único da humanidade, diante da pandemia de covid-19. “É voltar a sentir, sentir mais, se permitir expressar, expressar com liberdade, retornar ao útero do mundo e consequentemente ao seu e, dizer-se sim para si mesma”, ela ressalta.

Pessoas interessadas na prática com Natália podem entrar em contato pelo e-mail [email protected] ou enviar mensagem via direct no Instagram (@na.alleoni_danca.integrativa).

Erick Tedesco